Tag Archives: Hedging Griffo

Porque risco é mais importante que retorno

“The probability of an individual trade working out is either 100% or 0% depending on how it actually works” – Ed Seykota, TT-FAQs

Na minha humilde opinião o primeiro passo para ser bem sucedido em trading é entender risco.

Fui por quase um ano um vendedor de fundo de investimento e lembro que uma pergunta comum dos clientes prospectivos.

“Quanto que da a aplicação?”

E é por isso que muitas vezes, ou na maioria das vezes, as pessoas perdem dinheiro no mercado. Minha conclusão é: As pessoas em geral não entendem uma das coisas mais importantes que, pra mim, é o RISCO. Pelo contrario, se iludem na busca do retorno da “aplicação”.

Confesso que era bem mais fácil conquistar um novo cliente, tentando atrai-lo pelo retorno passado de uma certa aplicação, negligenciando, é lógico, o risco envolvido.

Estou batendo na mesmo tecla, pois já falei sobre risco em outros posts e acho importante enfatizar o tópico e coloca-lo de uma outra forma e assim deixa-lo mais claro e também para meu próprio beneficio, deixar ainda mais claro o conceito na minha cabeça.

Vou tentar ser direto e objetivo.

Risco, dentre as mil definições, para mim, no contexto de trading, é a probabilidade de algo dar errado ou não ir como esperado, pois apesar de esperança não ajudar em trading, todo mundo espera sempre o melhor.

Segundo Paul Tudor Jones

“I’m always thinking about losing money as opposed to making money. Don’t focus on making money, focus on protecting what you have”

Veja que ele esta mais preocupado em não perder dinheiro do que em ganhar.

Outros Hedge fund managers como Hugh Hendry também enfatizam a preocupação em NÃO perder dinheiro. Essa é a principal preocupação dele. Mais do que estar focando em ganhar dinheiro.

Até mesmo o value investor Warren Buffet coloca como sua primeira regra: Nunca perder dinheiro e a segunda como nunca esquecer da primeira regra.

Porque? Por que todos os gestores de fundos, traders e value investors que ganham dinheiro no longo prazo estão mais preocupados com risco do que com retorno.

Agora uma vez entendido risco o que tem que se analisar é a relação risco / retorno. Em outras palavras o quanto o trader esta disposto a perder, se as coisas não irem bem, para ter um determinado nível de retorno desejado?

Ai que acho que entra a psicologia em trading. Ninguem gosta de perder e é muito difícil aceitar a perda, mas o pulo do gato em controlar suas emoções negativas quando a perda ocorrer é aceitar a perda, pois ela faz parte no processo de ganhar dinheiro. Isto significa que perder faz parte do jogo e o Ego, que quer ser o Sr. Certo, fica bem educado e domado.

Dito isto, cada pessoa tem um nível de aceitação de perda. Uns aceitam mais outros aceitam menos. Isso não porque alguns gostem de sofrer mais do que outros, pois perder por perder é suicídio, mas aceitar a perda para um possível ganho pode ser bem recompensador. Esta é a parte difícil de entender.

Dai que o desenvolvimento de sistemas de trading podem ajudar, pois o sistema pode te dar uma boa  noção estatística (probabilidade) da relação risco retorno, assim fica mais objetivo a decisão de operar ou não operar um sistema de acordo com os objetivos de retorno e a capacidade de aceitar perdas de cada um.

Pra mim, o sistema ideal é aquele que minimiza meu risco dado um nível de retorno esperado. Eu outras palavras um sistema que quando der errado eu vou perder uma quantia que é aceitável e vai me manter no mercado tentando ser bem sucedido, mas quando estiver certo vou ganhar o suficiente para cobrir minhas pequenas perdas e ainda sobrar um “monte” de grana que me dará um retorno relativamente bom ajustado ao risco envolvido. Sistemas de trend following tem esta caracteristica. Perdem muito frequente e pouco, mas quando ganham salvam a pátria.

Van Tharp chama uma boa relação de risco retorno de idéia de baixo risco, ou seja, um sistema que da uma distribuição de trades onde a somatória dos ganhos é maior que a somatória das perdas. Alem disto, mais ideal ainda é um sistema onde o desvio padrão dos ganhos e perdas é o menor possível e o sistema também de muitas opotunidades de trades. O que chama de exportunity que foi discutido no post:  Pensando em R multiplos

Vou dar um exemplo que as pessoas acabam ocorrendo e entram pelo brejo, por negligenciarem o risco e ter problemas com aceitação de perdas.

O uso de alavancagem, por exemplo, que te permite emprestar dinheiro para aumentar o tamanho de sua posição. Eu sou absolutamente a favor de alavancagem e inclusive um usuário dela, mas pode ser uma bomba atômica, por outro lado.

Um trader pode explodir sua conta rapidinho se não entender risco.

Muitas vezes traders, e não só iniciantes, negligenciam o risco e colocam uma posição muito grande sem stop. Pra mim é o antagonismo do que estou tentando explicar aqui.

Vamos supor o exemplo do trader Zezinho que tem 10,000 reais e quer ganhar 1,000 reais por dia. Um alvo não impossível, mas um pouco ousado e diria irrealista pra quem ta começando com “pouco”.

Enfim, usando um mecanismo de alavancagem ,Zezinho coloca seu primeiro trade na acao WMD4 com uma posição de 500,000 (alavancagem de 50x). Assim, esperando um movimento de 0.2% pra fazer os 1,000. Entretanto, neste primeiro trade a sorte não esta do seu lado e o trade move 2% contra o Zezinho e nesta hora meu amigo ele tem que admitir que ele estava errado, pois os 10,000 foi pro espaço quando a posição for fechada por uma chamada de margem.

Pra finalizar eu quero deixar claro que não sou contra tomar risco. Inclusive acho que o maior risco de todos é não tomar NENHUM risco. Entretanto, o risco é algo a ser dado mais foco que o retorno, inclusive isto ajuda do ponto de vista psicológico.

Acho que o trabalho na pesquisa de um sistema de trading esta em achar estas relações de risco retorno maximizadas e ver se elas adaptam ao seu perfil de aceitação de perda a medida da sua capacidade psicológica de lidar com elas.

10 Comments

Filed under Psicologia de Trading, Reflexão, Trading Plan, Vela's Beliefs

Ler jornal e ver TV emburrece?

Love All, trust a few, do no wrong to anyone – William Shakespere

Quando criança não gostava de ler jornal, ainda estou pra achar a que gosta. Meu pai assinava o Estadão (O Estado de São Paulo) e lembro que era branco e preto e o uso mesmo era pra fazer balão galinha. Eu gostava mesmo era de ler gibi. Todo domingo de manhã pedia pra meu pai deixar ir com ele na banca de jornal la no centro de Prudente ai eu descolava uns gibi do tio patinhas, da monica e umas figurinhas pro meu álbum seja qual estivesse colecionando.  Meu interesse por gibi continuou por uns anos ate eu descobrir a revista MAD. Ai comecei a colecionar. Um lixo, mas dava boas risadas.

Voltando ao jornal também lembro que um dia meu pai me avisou que o Estadão estava lançando o Estadinho.  Uma edição de domingo só para crianças. Confesso que comecei a colecionar. Era uma edição por semana. Lembro que a folha tinha a Folhinha e ate era mais antiga que o Estadinho, mas em casa a folha não entrava. Talvez por isso nunca gostei da folha. Acho que não eu até tentei. A conclusão que cheguei eh que era a falha de São Paulo, isto pela quantidades de erros que tinha.

Veio então meados da década de 90 e o jornal começou a ganhar cor e as vezes eu lia e bisbilhotava, mas finalmente foi quando estava no colegial (Ensino médio) que comecei a ler o jornal sério. Comecei a ler todo dia, pois queria passar no vestibular. começou então uma obsessão. Nessa época aconteceu muita coisa. Lembro do Impeachment to Collor, Caso PC Farias, os cara pintadas, a liberação do países bálticos, o plano real a Guerra na Bosnia e etc.

Confesso que comecei a aprender bastante e minha redação melhorou. Alias foi o que acabou me colocando na faculdade, pois não era brilhante em matemática nem em português,  mas historia geografia e redação eram meus fortes e acredito que a leitura de jornal ajudou bem. Ate meu português melhorou.

Um dia já na faculdade um amigo que na época trabalhava na Heding Griffo me disse que a mídia era o “maior meio de manipulação das massas” deste ponto então comecei a pensar sobre isto. Demorou mais uns 15 anos pra realmente a ficha cair.

Na faculdade quando mais eu aprendia, lia livros eu comecei a ser mais critico quando lia o jornal, principalmente a parte de economia.  Infelizmente com conhecimento vem o senso critico.

Eu inclusive parei de ler o Estadão a parte economia mudei para o Gazeta Mercantil e o Valor Econômico, pois o Estadão já estava ficando amador.

Aqui na Austrália eu logo de cara já descartei total a leitura do jornal de Adelaide “The advertiser”. Um lixo. Foi então que comecei a ler o Jornal de Melbourne, “The Age” bem melhor, mas logo vi que o melhor jornal da Austrália era o Financial Review e este li consistentemente todo santo sábado por uns 2 anos ate que finalmente tomei a decisão de PARAR COMPLETAMENTE de ler jornal e assistir o noticiário financeiro.

Quando realmente comecei minha pesquisa sobre trading e o que era importante pra ser bem sucedido. Para minha surpresa ignorar o noticiário era crucial.

Um dos principais princípios do trend follower Ed Seykota é: FILE de NEWS.  Ou seja, ignore as noticias, mas siga o seu sistema.

O noticiário financeiro sempre tem uma explicação pra o que aconteceu no mercado e criou seu chavões como.

–          O mercado hoje realizou lucro

–          Alto no juros derruba mercado

–          números do desemprego foram bem recebidos

Não é dificil achar uma. Agora mesmo vou procurar uma que saiu hoje no jornal.

Olha o seguinte comentário

“The fact the market has managed to stay in the green and above 4900 (for the ASX 200) is certainly a reflection of the current positive investor sentiment and a sign the market wants to go higher,”

Como que um cara tem a pachorra de dizer a palavra certeza, depois do fato ocorrido. Aposto que se o mercado tivesse caido abaixo dos 4900 o comentário seria outro.

Pra mim, isto tudo não passa de ruído e inclusive atrapalha quem esta tentando seguir as regras de um sistema de trading.

Tem gente que gosta de tradar (operar) a noticia. Tem ate termos famosos entre traders como.

–          Sell on the new event

Geralmente quando uma ação começa a subir sem muita explicação. Então, quando vem a noticia boa, a ação cai, na maioria das vezes. Ai vem o jornalista espertão e fala que o preço já tinha descontado a noticia.

Assim, hoje eu não leio jornal, mas leio blogs que já fazem o filtro pra mim do que é importante. Pois leio os blogs de pessoas que pensam parecido comigo e selecionam as matérias que eu normalmente prestaria atenção. (veja meu blog roll)

Os caras lêem os jornais pra mim e eu só leio a critica dos blogueiros.  Prefiro utilizar o tempo que estaria lendo jornal fazendo analises direto na fonte, pois afinal os dados que os jornalistas analisam estão disponíveis na fonte, só que não tem o ruído. Por exemplo, todos os numeros estatísticos econômicos que são de domínio publico (inflação, desemprego, taxa de juros etc). Assim como as cotações dos principais mercados.

E do ponto de vista de trading eu prefiro confiar mais no preço do que em qualquer outra coisa.

Concluindo:

Jornal é um excelente meio pra ampliar seus conhecimentos e formar sua opinião, principalmente se esta vindo de um patamar sem nenhuma experiência, mas ao mesmo tempo é um grande meio de te manter distraído e não focar no que é importante. Entretanto, não é bom manter o jornal totalmente fora do radar, pois é dai que a maioria esta tirando informação e é bom saber como  a massa esta lendo e sendo influenciada.

Enfim o jornal mais que um meio de manipulação de massas é um o maior meio de distração das massas.

16 Comments

Filed under Jornada, Reflexão, Vela's Beliefs

Bolsa SEMPRE da dinheiro no longo prazo?

Resposta curta:  Depende da sua definicao de longo prazo.

Resposta longa: Devido não ser possivel responder a tal pergunta com um simples SIM ou um Nao, então, vou dar minha opiniao sobre a assertiva do título acima.

Primeiro ponto a se definir é:  o que eh Longo Prazo? Se longo prazo for 1 ano por exemplo, que é a definiao de ciclos contabeis a resposta é NÃO. Partindo do pressuposto que a afirmacao é SEMPRE verdadeira, ou 100% dos casos.

Se a resposta for 3 anos, 10 ou ainda 15 anos a resposta ainda é nao?

Antes que prossiga no post queria deixar claro aqui que estou usando como “BOLSA” o indice DOW Jones, para minha analise. Isto porque é o indice calculado que tem a maior historia pra chegar-se a algumas conclusão. Nao me atreveria a fazer isto com o IBOVESPA pois comecou em 1968, se não me falha a memória. Alias se voce quer ter uma ideia sobre indices de acoes leia o livro do Helio de Paula Leite.  Foi meu professor de financas na GV, que Deus o tenha. Um dos melhores professores que tive na graduacao.

Lembro que a prova de Portfolio Theory foi uma prova de estatistica avancada. Lembro que a classe ficou revoltada. E sua resposta ireverente foi: “Markowitz ganhou o premio nobel de Economia com uma tese de “estatistica” e nao de economia ou financas”.

Certo ele e errado os reclamoes.

Enfim, voltando ao post o maior periodo que o Dow demorou para recuperar de um bear market foram 25 anos, sendo de 1929 a 1954. Isto quer dizer que o individuo que acreditava que bolsa SEMPRE da dinheiro no longo prazo teve que esperar 25 anos para ficar no ZERO a ZERO. Se considerarmos inflacao este pediodo foi ainda maior.

Veja gráfico do Dow nos ultimos 100 anos.

Entao,  tirando minha primeira conclusão. Se voce considera que 25 anos, ou mais, é a medida de longo prazo, logo a reposta é SIM a bolsa SEMPRE da dinheiro no longo prazo.

Em Janeiro de 2010 eu escrevi um post que me deu um trabalhinho, sobre qual foi o investimento da Decada: Link aqui.

Espero que curta este post deste meu outro blog. Eu fiz a comparacao entre alguns investimentos e descontei coisas como inflação e cambio para normalizar os resultados para chegar a alguma conclusao de qual era melhor investimento da decada de 2000.

Quando era vendedor de fundo de investimentos na Hedging Griffo eu basicamente era “impelido” a dizer para os meus cliente, pois este era o discurso que aprendi, que investimento em Bolsa so se pode avaliar depois de 3 anos, pois os altos e baixos eram “normais”. Se vendia muito a ideia que em bolsa o que funciona era o Buy and Hold. Compra e segura, em portugues. Se olhar na decada de 80 e 90 isso era a mais pura verdade, mas se olhar num prazo maior como 100 anos, 20 anos pode não ser o suficiente, como demostrado acima.

Por exemplo, quem comprou e segurou Nasdaq ou Dow Jones em 2000, depois de quase 11 anos ainda estao no negativo.

Tambem quem comprou o indice Dow em 1965 so saiu do Zero a Zero em 1981. Embora ter sido um periodo de crescimento economico a bolsa ficou “de lado”.

Mudando um pouco de assunto, eu sou adepto da teoria que no mercado existem Bull e Bear markets seculares, ou em outras palavras, longo prazo.

Acredito que o mercado atualmente esta em um secular bear market que comecou em 1999/2000 e acho que ainda vai durar um “pouco”.

A medida que defino Bull e Bear é em relacao a P/E (Price/Earnings). Em um bull market o P/E tendem a subir e em um Bear Market tendem a cair. Se quiser saber mais leia o livro Unexpected Returns. Tai estou citando outros livros da minha biblioteca.

Outra boa medida, pouco objetiva, entretanto util, é que um Bull market termina quando “todo mundo” esta Bullish e um Bear quando “todo mundo” esta bearish.

Tipo quando voce for a um restaurante e o garcom estiver falando em comprar acao… e ate o gari esta pensando em entrar no mercado de acoes esta na hora de vender TUDO. A tipica estrategia ZEM (ZERA ESSA MERDA) é recomendada. Mais ou menos o que aconteceu no Brasil em 2008 onde até o “Ze Mane” tinha dinheiro do FGTS na Petro e na Vale.

Por outro lado, quando a manchete da Veja for: O FIM DA RENDA VARIAVEL. Então esta na hora de vender a casa, o fusca o barco o sitio e a fazenda e comprar acao.

Assim, quando ta todo mundo tomando porrada, e nao aguenta mais perder dinheiro na bolsa e P/E medio esta em torno de um digito. Algo como 5x, por exemplo, então hora de apostar o rancho em acoes.

Momentos como este foram 1932/33, 1981/82 e mais recentemente, ate certo grau, Marco de 2009. Foi quando as acoes do Citibank chegaram em 99c. Ate a Agencia Dow abriu uma excecao a regra onde pela primeira vez uma acao cotada a menos de 1 dolar fez parte do indice. Foi ai que comecou o Rally de 2009 que foi o maior rally da historia da bolsa nos EUA, medido em rendimento em um curto espaco de tempo, ou seja, do fundo em Marco ate o pico em Setembro. Algo como 70% de aumento em 6 meses.

Agora antes que pare de ler o meu blog e me escomunge porque apesar de ser um cara “tecnico” porque estou aqui falando de fundamentos.

Aproveito a oportunidade, depois de ja ter cumprido o proposito do post de dar minha opiniao sobre a acertiva do título, é explicar que partes dos fundamentos eu olho.

Como ja foi explicado na introducao da sessao THE BIG PICTURE.  Eu nao invisto em ativos olhando os fundamentos como balanco etc. Sou um trader baseado em sistemas e pra mim trade é um jogo estatistico, entretanto eu acompanho a visao macro pra ter uma ideia de qual sistema que opero esta mais propenso a dar dinheiro devido as condicoes do mercado. Tambem trabalho com possiveis cenarios para onde o mercado pode ir no futuro.

Atualmente trabalho com o cenarios de deflacao e inflacao que acompanho e tambem com a analise do secular bear market que estamos, na minha opinião, e assim vou levando. Ainda acredito que o bear market nao acabou e que ainda estamos num momento deflacionario ou retracao de credito. Nao sei quanto isto ainda vai durar, mas ainda nao vi evidencia do contrario.

Pode ser que depois deste periodo entremos em um novo periodo de prosperidade ou entremos ate em um periodo de stagflacao, que acho pouco provavel, mas nao impossivel.

Nao gosto de dar datas, mas acho que vai demorar um pouco pras coisas melhorarem. Algo como 2 a 5 anos acredito eu… ou mais… Entao colocando datas algo como 2012 ou 2013 + plus.

A principal razão é porque  precisamos “Expurgar a PODRIDAO do Sistema” em outras palavras a quantidade de divida e alavancagem no sistema. Por isso, sou mais pendente a apoiar a ideia da deflacao. E isto so da pra curar com o tempo.

Não adianta imprimir dinheiro e estimular a economia.

Isto é igual o cara que ta gripado e toma analgesico pra passar os sintomas e o virus ainda continua la e a gripe so vai passar com o tempo.

A mesma analogia podemos usar para o Quantitative Easing, i.e., impressao de dinheiro, que o Ben Bernanke esta fazendo, isso so posterga a solucao do problema na minha opinião. Outra analogia, se não é abusar muito delas, é como dar mais bebida pra alguem que ja esta bebado.

3 Comments

Filed under Biblioteca, Psicologia de Trading, Reflexão, The Big Picture

Debate Inflação/Deflação (Inflation/Deflation)

Talvez o topico de Inflação/Deflação é um grande assunto negligenciado pela midia main stream e pra mim hoje é a coisa mais importante a se monitorar se voce é um trader que se interessa com a visão do todo, como eu.

Ainda nao toquei aqui no blog sobre o que acho da influencia das noticias em trades. Lembro que ainda recem formado trabalhando na Hegding Griffo um amigo meu me disse um cliché: “A midia é uma meio de manipulacao das massas”. Nao poderia ser a mais pura verdade, alias eu acho que vou mais longe “a midia, principalmente a main stream, é um meio de anestesiar a massa”. Já há algum tempo eu leio jornal so pra me divertir aos sabados. Tipo dar umas risadas pra ter uma ideia do que a massa esta lendo e o que os reporters estao escrevendo.

Hoje confesso que desenvolvi a habilidade de separar o joio do trigo, isto é ainda tem alguns poucos lucidos que escrevem coisas que fazem sentido, mas a maioria é lixo, enfim isso é assunto para outro topico.

Televisao em casa fica desligada a nao ser para assistir um DVD, uma comedia. esportes ou um documentario. Noticia mesmo so on demand na internet e faco isto ha muito tempo.

Voltando o debate deflacao e inflacao acho crucial acompanhar como este debate vai se desenrolar e como isso pode influenciar o seu trade, seja ele bolsa, commodies, futuros ou Forex.

Acho interessante ler o post sobre definicao de dinheiro, inflacao e deflacao para entender melhor deste ponto em diante.

Basicamente na blogsfera existe um debate intenso e recomendo pesquisar os seguintes caras que acampanho.

Do argumento da inflacao:

  • Marc Faber: Editor do Gloom Boom and Doom report. Sempre está na midia e tem uma porrada de video dele no YouTube.
  • Peter Schiff: Dono da Euro Pacific Capital. Sua popularidade na midia é grande e tentou se candidatar ao senado nas próximas eleições (2010), mas perdeu a nominação. Basicamente Peter é o que chamamos de um gold bug. O cara acha que ouro vai estourar, mas acho que não seja um cara que tem um timing bom, e dizem que seus clientes perdem grana por não ser um bom trader, apesar de ter cantado bem a bola da crise de 2008. Acho que seu defeito, segundo Mish (veja abaixo), é que sua visão é muito centrada nos EUA.
  • Michael Pento: Economista da Delta Global Advisors sempre esta na CNBC comentado e recentemente foi praticamente expulso do ar pela musa Erin Burnett no ar. Prai da pra ver que o cara não tem papas na lingua.
  • Jim Grant: Um dos economista que mais entendem do mercado de Bond e taxa de juros. Seu site.

Agora do lado da deflação

  • Mish Schedlock: Apesar de não ter uma formação em economia é um dos caras que acho que mais entende da dinamica de economia mundial. Mish é um fenomeno e o seu blog é o mais lido de economia no mundo. O cara ter formação em TI e começou a blogar porque ficou desempregado e não conseguia se recolocar na área. Neste caso perder o emprego foi para o bem. Seu blog é o Global Economic Analysis.
  • Hugh Hendry: Hedge Fund Manager da Eclectica Asset Management. Atualmente rankeado o Hedge Fund mais rentavel do ano pela Bloomberg. Não perco uma aparição dele na midia pela sua irreverencia e sinceridade. Da pra dar umas boas risadas. O cara é um genio.
  • David Rosemberg: Economista chefe da Gluskin Sheff Associate. Sempre está na midia e é uma das principais assumidades em bonds e sempre fala sobre suas visões sobre onde o mercado de bonds esta indo. Segundo ele para niveis nunca imaginados antes.

Apresentado os protagonistas da discussão, vou tentar resumir as duas linhas de pensamento aqui.

Os que defendem inflação acham que havera no futuro proximo, e isso pode ser em 1 ou 5 anos, uma hyperinflacao na verdade, que será causada principalmente pela impressão de dinheiro nos EUA o que levara ao colapso no Mercado de bonds nos EUA e do USD.  O preco das commodities, que sao hoje denominados em dolares irao disparar em consequencia do colapso das verdinhas, principalmente ouro que segundo os inflacionistas é um hedge  contra a inflacao.

Os inflacionistas estao posicionados basicamente em dois trades. Estao comprados (long) em ouro e outros  metais preciosos (e.g. prata e platinum) e vendidos em US treasury. Eles acreditam que os EUA nao vao dar conta de servir os juros da divida e acha que a situacao de debito vai piorar com as obrigacoes futuras como seguro social, previdencia e seguro saude que o governo atual (Obama) e outros passados estao se compromentendo.

Um outro argumento defendido bem por Jim Grant é que o ciclo dos Bond Yields que estao em queda desde 1982 hoje estao nos niveis mais baixos da historia e quando eles atingem o fundo do poco eles comecarão a subir.

Nao é o escopo entrar em detalhe, mas uma forma de combater a inflacao é aumentar as taxas de juros, assim sua premissa esta em que os yields (juros) dos bonds vao aumentar em consequencia da pressao inflacionaria. Jim acredita que o mercado de Bond é uma enorme bolha.

Por outro lado, o argumento dos deflacionistas é o seguinte:

Não é tão simples como o oposto da visão inflacionária. O que dizem é que existe na economia ciclos de expansão e de contração de credito, sendo deflação a parte do ciclo de contração de crédito. Eles explicam que o que aconteceu de mais ou menos 1982 ate 2007 foi uma absurda expansão de credito na economia, como nunca visto antes, onde as pessoas, empresas e bancos ficaram absurdamente endividados basicamente no mundo todo e nao tem mais condicoes de tomar mais divida.

Neste periodo de expansao de crédito o valor dos ativos, como propriedades, commodities e patrimonio em geral aumentaram muito e foram basicamente inflados por esta criacao de divida e alavancagem. Assim se chegou em um ponto onde eles acreditam que o mundo gerou uma capacidade produtiva onde nao pode se consumir mais a nao ser com mais expansao de credito.  Entretanto, nao da mais para aumentar  mais a divida, pois ela esta nos limites do insuportavel.

A teoria deflacionista explica bem a crise que deu em 2007/2008, a pior desde a crise de 29, que pra mim ainda esta acontecendo. Quando a crise estourou as pessoas, instituicoes financeiras e empresa nao conseguiam mais carregar a divida que tinham. A divida durante decadas estava artificialmente aumentando o preco dos ativos. Assim, em 2008 o credito facil secou no sistema e o Mercado entrou em um colapso e todos tiveram que se livrar dos ativos para pagar as dividas e  “ todo mundo”, ou pelo menos a maioria, ficou debaixo d’agua, pois a divida ficou maior que os ativos, gerando patrimonio liquido negativo. Isto basicamente é o cenario deflacionario, causado principalmente pela contracao do credito.

O que tem acontecido nos ultimos 2 anos, desde que o  Lehman Brothers quebrou e a crise se acentuou é que apesar dos juros nos EUA estarem praticamente zero % e o FED (Banco Central Americano) tem impresso mais de 1 trilhao o credito continua ainda contraindo e nao ha sinais de inflacao.

Mas como podemos acompanhar qual cenario vai se desenrolar e quem esta ganhando o argumento no momento?

Eu acompanho basicamente 2 coisas

  • Preco dos Bonds
  • Preco do ouro e commdities em geral

Atualmente a coisa esta um pouco confusa porque o preco do ouro esta sugerindo inflacao, pois o preco tem subido fortemente nos ultimos 10 anos e mais acentuadamente nos ultimos 2 fazendo novos recorde de precos recentemente. Por outro lado, o preco dos bonds estao sugerindo deflacao, pois o preco dos titulos estao subindo e as pessoas estao bem aversas a risco com medo da bolsa, por exemplo.

No geral acho que deflação esta ganhando o debate. O que acontece atualmente nos EUA  é uma outra caracteristica de periodos deflacionarios. A confianca do consumidor fica baixa e as pessoas consomem menos, as empresas produzem  menos, existem cortes, o desemprego aumenta e os precos caem.

Qual a opiniao de Velaepavio?

Eu particularmente tendo mais a advogar a deflação, pelo menos no curto e medio prazo. Digo nos proximos 2 a 5 anos e dependendo da acao de varios protagonistas ao redor do mundo podemos voltar a um novo ciclo de crescimento la na frente (2015+) ou ter o caos da hyperinflacao que segundo Mish é tão improvavel que será basicamente o fim do mundo (the game end).

Eu acredito que no momento estamos em um secular Bear Market e a coisa ainda vai ficar feia nos proximos 2 a 5 anos ate termos um novo bull market. (assunto para outro post)

Finalizando, o que vai desenrolar depende dos principais protagonistas que são:

  • EUA
  • China
  • Europa ( principalmente os PIIGs Portugal, Espanha, Italia, Irlando e Grecia)
  • Outros Emergentes : Russia, Brasil e India, mas com pouco poder de decisao.

O principal problema de fazer previsoes é que nao se sabe o que se passa pela cabeca de Ben Bernanke, Obama, Hu Jintao, Jean Claude Trichet e membros da Uniao Europeia como Grecia. Tambem existem outros probleminhas pela frente como Iran, Climate Change e falta recursos em geral no futuro, como petroleo, fertilizantes e comida.

Acho que chega por este post…

Desenvolverei o assunto The Big Picture entrando em mais detalhe nos futuros posts. As ideias sao coisas como

–          Entenda a atual crise e onde estamos no momento

–          O que o Mercado de bonds estao dizendo

–          Ouro esta indo em direcao a 5000?

Caso tenha alguma sugestão ou duvida deixe um comentário.

5 Comments

Filed under Reflexão, The Big Picture

Meu primeiro Trading Plan (estrategia de operacao)

Na minha percepcao sobre o fundo do poco no mercado, vide post anterior,  eu tracei uma estrategia, bem inspirado no livro: How to Beat the Managed Funds by 20%

Os criterios da estratégia eram os seguinte:

Selecionar no maximo 5 acoes que atuam em setores diferentes que estavam em uma tendencia de alta.

O que o livro fala sobre diversificação é que se voce compra mais do que 5 a 10 ações o retorno da carteira fica praticamente muito parecido com o indice do mercado. Neste caso é melhor comprar o indice ou um fundo de indice que é mais eficiente em termos de custos.

O Ator, como eu, é um advogado da concentração e não diversificação, mas nao vou discutir isto neste post.

Enfim, destas cinco ações o balanceamento inicial do portfólio era 20% por acao com um stop loss de 15%. Quando os 15% for atingido ficar em caixa ou compra a acao que esta mais subindo no portfolio. Simples assim.

Este sistema era mais um que adota o principio.

“Corte suas perdas e deixe o lucro fluir” ou em Ingles: “Cut your losses and let the profits run”.

Eu violei a regra do sistema sobre açoes em tendencia de alta. Acho que na epoca fiquei ancioso e percebi que o mercado estava perdendo força e meio que se consolidando e resolvi tomar o risco. Eu nao recomendo a fazer isto, a não ser que voce honre a principal regra de qualquer sistema, na minha opinião, CORTAR as PERDAS. Segundo o livro uma tendencia de alta era definida se a ação esta fazendo novos altos altos e novos altos baixos nos ultimos 3 meses. Mais sobre isso na parte de analises gráfica do site e no link do curso abaixo.

O meu critério da escolha das ações era totalmente arbitrario e foi o eguinte:

Escolher empresas que pagavam mais que 5% em dividendos. Com um balanco “solido”. Meu raciocinio era o seguinte. Se estas empresas com bom fundamentos cairam em media 50% em 6 meses e pagam mais de 5% em dividendo na pior das hipoteses eu ganho mais que renda fixa que na epoca estava dando 3% devido aos drasticos cortes do Banco Central Australiano com a Global Financial Crises (GFC).

Atenção que essa nao eh minha estrategia hoje, mas pelo menos foi um primeiro passo pra me levar onde estou hoje. Continue lendo que voce vai entender.

Fui lá em comprei $1000 de cada ação no dia 20 de Fevereiro de 2009. No primeiro dia todas subiram um pouco. Tinha colocado um Stop Loss de 15%. Ai as empresas comecaram a cair, cair, cair. Pensei: PRECISO SEGUIR O MEU PLANO. Ai esta um dos primeiros trejeitos de um bom trader. SEGUIR O PLANO uma vez ele traçado.

Aguentei firme quando eu estava pra colocar minha ordem de venda no Mercado ele comecou a virar de forma violenta e logo estava no lucro no final de marco. O fundo do poco foi 6 de marco. Apenas 2 semanas depois que entrei no Mercado. E vi acoes subirem 10, 20 ate 100% do meu preco de entrada em questao de 5 meses. Eu me arrependi so de ter colocado só $5000. Poderia ter colocado $50000 e estar dando risada.

Nessa epoca entao se intensificou minha pesquisa e comecei a ler todos os livros de investimento da biblioteca. Teve um em particular que causou a grande VIRADA. Foi Trading Secrets de Louise Bedford. Basicamente é um livro focado em um estilo técnico de trading aliado a um trading plan. Eu recomendo a leitura.

Eu sempre foi cetico a ser tecnico, sempre fui um cara intelectual e fundamentlista. Um dos motivos que pedi demissão na Hedging Griffo e fui para consultoria é que trabalhar e ser bem sucedido na área comercial não exigia um desafio intelectual. E isso me deixava pra baixo na época.

O que importava pra mim era os fundamentos. Ser tecnico na GV era meio que uma heresia, mas mais uma vez meus olhos comecaram a se abrir para novas perspectivas.

Vi que análise tecnica fazia total sentido. Não que analise fundamentalista seja asneiras porque, na minha opinião, tanto uma quanto a outra fazem sentido. Elas são apenas duas estratégias diferentes de fazer dinheiro no mercado. O importante é saber como que cada estretégia funciona e seguir as regras.

Então, na internet comecei a pesquisar e encontrei um bom site sobre trading education (informed traders). Lá tem excelentes cursos gratuitos. Se você entende Inglês eu recomendo. Acho bobagem comprar cursos de analise tecnica basica como eu comprei um brasileiro da Kaeme Brasil e me arrependi. Não que o curso seja ruim, mas tem coisa melhor e de graça na internet como o link acima.

Um parenteses: Nao se iluda que analise tecnica é a resposta pra tudo:  não é.

Analise técinica é apenas uma parte importante, mas não a mais importante.

Com a leitura deste blog voce vai entender o que estou de falando. É que não quero te inundar com informação logo no começo, pois tem assunto pra muito post ainda. O intuito do início do blog é contar sobre minha jornada e como que uma coisa levou a outra pra chegar onde estou hoje. Isso não significa que cheguei em um lugar e vou ficar aqui. A jornada ainda continua.

Enfim voltando a onde estava, essa foi a epoca que comecei a me aprofundar em analise tecnica. E comecei a ler tudo o que podia.

Assistindo um cursos de analise tecnica no site Informed Traders e em particular no modulo 7 sobre positioning size teve uma frase que me chamou a atenção que era a chamada do video: O que separa os vencedores dos perdedores.

Neste modulo me deparei com um nome que citaram algumas vezes. Van K Tharp. E comecei a pesquisar sobre ele.

Nesta epoca foi mais ou menos em Julho de 2009 e minha carteira estava bombando e a bolsa estava no maior rally da história, so que ao mesmo tempo percebi que quanto mais lia, eu me dava conta que menos eu sabia e que minha primeira estratégia, apesar de ter sido importante no aprendizado não ia me levar muito longe, pois eu queria mais do que bater os fundos por 20%. Meu objetivo era viver do meu lucro de trading e ter independência financeira.

Então decidi vender todas minhas ações e ir pra caixa 100% novamente. Foi ai que entrei no processo de imersão em leitura, estudo e achar o que fazia sentido pra mim em trading.

1 Comment

Filed under Jornada, Trading Plan

O primeiro contato, choque e o silêncio

Estava aqui tentando lembrar quando foi a primeira vez que entendi o conceito de bolsa de valores. Acho que este é o primeiro contato que temos com o Mercado. Nao consigo dizer precisamente quando foi, mas eu acho que foi assistindo uma novela na Globo. Pela pesquisa aque fiz deve ser Brega e Chique onde uma personagem interpretata por Gloria Menezes (Rosemere) era muito rica e alguma coisa tragica aconteceu em um episodio em que ela perdeu toda sua fortuna, ou pelo menos grande parte dela, na bolsa. Deve ser isso mesmo porque a novela é de 1987, onde ocorreu uma quebra mundial nas bolsas neste ano.

Tinha 11 anos na epoca e tive dificuldade de endender como que alguem perde uma fortuna em algo chamado bolsa de valores da noite para o dia. Me lembro da cena onde ela estava na sala de estar, tinha uma escada ao fundo e ela andava de um lado para o outros segurando uns papeis na mão e falando num telefone sem fio.

O que me lembro é que na epoca perguntei pra minha mãe e ela tentou me explicar eu acho que meio que entendi, mas nao ficou claro.

Confesso que não é um conceito facil de explicar para um menino de 11 anos. Depois um dia fui no banco com minha avó que ela foi vender umas ações que meu avo tinha da Duratex. Era bastante dinheiro para um menino, lembro um pedaço de papel com o preço da ação X a quatidade = Muito dinheiro.

Logico com o tempo eu fui entendendo o conceito. Que ação nada mais é um pedacinho de uma empresa que é negociado em um mercado público.

Enfim eu finalmente decidi estudar administração de empresa na GV e não demorou muito para decidir que a área que queria me especializar era mercado financeiro e finanças. Eu fiz todos os cursos que podia sobre finanças e sempre era certa referencia na classe quando o assunto era mercado financeiro.

Entretanto, não era bem sucedido nas competições de investimento. Eu não fazia muito dinheiro senão perdia dinheiro na media.

Fui trabalhar no mercado financeiro em uma posição de back office e nunca realmente consegui uma posição de operador que era o que queria. Primeiro foi no Banco Patente, meu primeiro emprego. Na verdade aprendi a mexer no excel e quatro pro, mas operar no mercado mesmo, ainda continuava um mistério pra mim.

Lembro que na mesa de operação tinha so engenheiro do ITA. Mesmo formado pela GV me sentia desqualificado para entender as contas que eram necessárias para fazer dinheiro. Na epoca, meados de 1998. O que estava em voga era fisica quantica para operar no mercado. O LTCM dos nobeis Black and Sholes era o Holy Grail do investimento. Operar em opções era o OH do Borogodo!

Como era muito cauteloso e ainda tinha aquela figura na cabeça da Gloria Menezes perdendo dinheiro no mercado eu me sentia seguro investindo em DI. Em 1998 nas vesperas da re-eleição de FHC tava dando quase 60% ao ano quase sem risco. Praque correr risco na bolsa e ficar fazendo conta de calculo tensorial?

Enfim, fui passar 6 meses nos EUA em Cleveland Ohio e percebi que pessoas idiotas estavam fazendo grana na bolsa. Lembro conversando com um cara na cafeteria e dizendo quanta grana tinha feito em Yahoo. Mal sabia que estava surfando numa das maiores bolhas da história.

Voltando ao Brasil fui procurar emprego em finanças e acabei aterrizando na Hedging Griffo Asset Management em uma posição no comercial. Acabei sendo contratado porque viram potencial no meu sobrenome.

No HG fiz o meu primeiro trade. Lembro muito bem. em 1999 a bolsa bombando com a euforia da internet nos EUA. Lembro que não tinhamos nehuma empresa de internet como a Yahoo na bolsa, entao qualquer empresa que tinha alguma relação com internet estava explodindo.

Fui la eu e comprei Globo Cabo (NET). Acho que dobrei meu pequeno capital de 3000 reais em 2 a 3 meses. Pensei. Esse negocio é o bicho.Se continuar assim antes dos 30 faço meu primeiro milhão.

No começo de 2000 já estava pensando no meu segundo trade e olhei pra Embratel. Po… empresa promissora no ramo de internet. Nao lembro o preço mas estava mais ou menos uns 40 reais. Fui la em soquei 3000 pra olhar meu lucro em globo capo começar a evaporar. A ação caiu pra uns 20 reias com a quebra da bolsa da Nasdaq. Pensei. AGORA QUE ESTA BARATA MESMO. Fui la e comprei mais uns 2000. Ai que o negocio pioriou. A acao, caiu, caiu, caiu. Ai la da epoca do Patente, lembrei que o pessoal falava que tinhamos que uma hora ou outra. Take the Loss ou realizar a perda.

Enfim a dor era tanta que eu vendi tudo quando o negócio estava chegando perto de 10 reais. No final acho que a ação parou de cair quando bateu 4 ou 5 reais.

Na HG digo que ralei e captei alguns cliente, aprendi bastante, mas vi que aquilo não era a minha praia, precisava de um desavio intelectual. E acabei não vendo espaço para ir para a mesa de operação. Talvez não tenha sido muito persistente e fui atraz do low hanging fruit e fui trabalhar em consultoria de estratégia pelos próximos 4 anos.

Lição aprendida. Meu dinheiro voltou tudo pra DI e fiquei por um grande periodo em silêncio.

Lembro que olhava o Ibovespa indo de mal a pior no começo dos 2000 e meu dinheirinho rendendo legal no DI.

1 Comment

Filed under Jornada