Tag Archives: Bull

Guia Completo de Backtest segunda edição

PLATINUM

É com muito orgulho que lanço a segunda edição do Guia completo de Backtest.

 Uma revisão completa do estilo de português feita com o auxílio do meu amigo e trader Thomaz Senna, ficando ainda mais clara a linguagem. Moro na Austrália já há mais de sete anos e com minha leitura toda em inglês preciso de alguém para adaptar a linguagem para o português de mercado atual.

Ele também escreveu uma apresentação para o livro que eu vou publicar aqui como um blog post convidado, abaixo.

Para saber sobre o lançamento aqui vai o link para a nova pagina de vendas e analise os pacotes especiais que preparei para quem ainda não comprou.

Inclui novidades como o código do sistema que testei no Amibroker e a planilha de gerenciamento de risco.

Sem mais aqui vai a apresentação da segunda edição do Guia Completo de Backtest.

 

É natural falar em bolsa de valores e logo pensar em muito dinheiro e em ficar milionário, só que não é comum ficar milionário da noite para o dia operando na bolsa, é possível sim prosperar, e prosperar é um processo cuidadoso, que requer disciplina e tempo. Os profissionais que operam ações e derivativos entendem que esse é apenas um ofício, não um bilhete de loteria, mas é muito comum aqui no Brasil as pessoas “investirem em ações” esperando um retorno de grandes quantias, e raramente pensam na hipótese das ações irem no sentido contrário do seu investimento. Normalmente investimos em algo a longo prazo que tem grandes chances de aumentar de valor, tradicionalmente imóveis são bons investimentos de longo prazo, pois não é comum ver oscilações que reduzem o preço de um imóvel a 50% do seu valor e depois elevam apenas 10% e assim permanecem por um longo período; já as ações tem esse comportamento com muita frequência, entre períodos de semanas até poucos meses, oscilando até mais da metade do seu valor em determinado instante. Esse é apenas um dos diversos argumentos que demonstram os motivos de não se investir em ações a longo prazo sem uma gestão de risco e regras de quando se deve entrar e sair do mercado, pois assim como suas ações podem subir 80% elas podem descer 90%, com as mesmas chances, e com muita rapidez. Por isso, operar ações é uma opção mais lúcida, porém requer muito estudo e disciplina, já que não existe ninguém que vá te impedir de montar um trade absurdo, como comprar no topo de uma forte alta com vários indícios técnicos de que esse ativo deve começar a se desvalorizar.

Conheci o Pedro, ou melhor, o “Vela” fazendo buscas no google sobre psicologia de trader e gestão financeira, entre outros assuntos de traders bastante negligenciados pela maioria dos brasileiros. Vi no seu blog uma oportunidade de aprimorar os meus conhecimentos sobre essa profissão tão complexa que é ser trader. Como não temos aqui no Brasil muitos livros sérios sobre o assunto, me senti muito feliz quando tomei conhecimento de livros excelentes de autores “gringos” através do blog do “Vela”, além de formidáveis posts que me pouparam horas de leitura de alguns livros, outros posts me fizeram querer devorar certos livros. Uma vez li em um livro sobre trading que um bom autor de livro sempre coloca a bibliografia usada para criar o seu próprio livro, isso porque ninguém consegue formular uma ideia totalmente sua, sem aproveitar nenhuma ideia de terceiros, e aqui nesse e-book tivemos no final dele a recomendação de alguns dos principais livros que fizeram do Vela quem ele é hoje.  Quando ele me falou por e-mail que ia lançar um e-book queria ter o prazer de comprá-lo, hoje tive o prazer e a confiança de revisar o seu e-book, afinal quem acompanha o blog do Vela sabe que ele mora na Austrália a muitos anos e já leu os melhores livros sobre trading além de participar de palestras de autores geniais. Nesse e-book o “Vela” conseguiu sintetizar de forma muito prática seus principais conhecimentos sobre um trade system, longe daquela ideia de seguir regras sugeridas por outros sem qualquer teste robusto que atesta qualquer confiabilidade matemática ao sistema. Os traders profissionais não usam de achismo, ou porque hoje choveu ou fez sol, usam de psicologia para se controlar, gestão financeira para controlar seu dinheiro e um bom trade system para colocar em prática a única coisa que é possível de se controlar no mercado: VOCÊ PRÓPRIO.

 

Thomaz S. Senna

 

12 Comments

Filed under Biblioteca, Psicologia de Trading, Trading Plan, Vela's Beliefs

Vantagens de ser um Trend Follower

“Ride the tide of falsehood and get out before the truth is known” George Soros

Retirado do meu diário de trade:

As grandes vantagens de ser um trend trader

1- Só um há trade lucrativo e ele é na direção da tendencia

2- É o único método de trading onde money management faz sentido em aplicar o axioma: Cut your losses short and let your profits run

3- É um sistema adaptativo e não está preso a nenhum vies, bull ou bear, mas apenas na direção da tendência

4- A única coisa importante a observar é o preço, pois somente preço paga

5- Olhar os fundamentos, apesar de importante, é opcional

6- Não existe bolha enquanto tiver momentum no mercado

7- O lucro acaba quando a tendência acaba. “The trend bends at the end”

8- Trend Following é flexivel a preferências pessoais, pois tendência é algo subjetivo e depende de métodos de amenização e.g. time frame

9- Te mantém humilde e respeitando o mercado, sabendo que aceitar perdas faz parte do processo de ganhar

10- Não exige saber o que vai acontecer no futuro para ser lucrativo no longo prazo

Abaixo a tendência de ouro no últimos 11 anos

11 Comments

Filed under Reflexão

Uma revelacao surpreendente

Investi tempo depois do período fechado para balanço para re-testar meu sistema short e fazer uma analise caso operar long e short.

No começo fiquei bem empolgado com meu sistema long, mas logo que comecei a operar eu passei uma pessima sequência de perdedores (whipsaw) o que me tirou um pouco dos trilhos e resolvi dar uma re-analisada no Back Test, principalmente a parte de Drawdown (DD).

E ai que foi a minha revelação surpreendente. Mesmo que o sistema apresentasse uma relação CAR/MaxDD que me deixasse feliz eu cometi um erro de não dar uma olhada em quanto tempo o DD iria demorar caso entrasse em um e quantos trades demoraria pra sair do DD.

Apesar do DD maximo ser de apenas 5.66% com um position sizing de 1% do equity o pior DD demorou 443 dias corridos ou aproximadamente 14 meses. Sendo um sistema longo os piores DD ocorreram em bear markets. Sendo eles

13/03/2002 a 20/02/2003 – 352 dias

20/06/2008 a 2/07/2009- 442 dias

O primeiro DD durou 17 trades e o segundo 19. Sendo que o sistema Longo da em media 15 trades por ano ou um pouco mais de um trade por mes.

Entao depois de ter revisao o sistema short que estava com um problema de execução devido aos stops curtos que eram stopados no after market agora estou mais satisfeito com as regras ajustadas. O sistema “piorou” os resultados, mas a ideia aqui é usar o sistema em conjunto com o longo por dois motivos. Ter um colchão de hedge em bear markets para diminuir DD e duracao de DD e aumentar a frequência de trading para aumentar os juros compostos.

então aqui vai a analise de ter os sistemas sozinho ou combinado:

Agora para visualizar a curva de equity com um investimento hipotético de 10,000 como seria a curva.

Veja que os maximos DD em duração estão dentro dos retângulos.

Veja que o sistema short se comportou “bem” nos bear markets de 2001-2002 e de 2007-2008 e em periodos Bull ficou flat a caindo um pouco. Isto o porque do sistema operar um índice de ação (S&P 200 Australia) o que tem um “vies” Bull.

Lembro do Roberto ter comentado de ter um sistema short junto com o longo pra melhorar a performance total e é o que acontece no Back test.

Voltei a tradar com mais confiança os dois sistema com um controle de risco bem apertado (1% do equity) só pra voltar a ter confiança em no sistema e me conhecer melhor o quão aderente estou ao sistema.

Lógico que o intuito é ganhar dinheiro, mas quero focar muito mais no processo no momento de descoberta e auto-conhecimento, pois só serei um trader de sucesso o dia que descobrir o sistema que tem dentro de mim e se estou dispostos a sentir os sentimentos que vem com meu sistema que no fundo no fundo esta no meu DNA.

Neste intuito eu lanço o desafio de seguir 30 sinais de forma mecânica e vou postar no Twitter as ordens de entrada e ajustes diarios de trailing e profit target.

No momento estou em um trade longo que esta ganhando 1.2R e que teve uma MAE (Maximum Adverse Excursion) de 1.74R. Faz parte de ser trend following devolver pro mercado para deixar o lucro fluir.

Espero que me sigam no Twitter se querem saber meu trading journal enquanto ele acontece.

Ajusto minhas ordens e stop quando o mercado fecha por volta de 17h horario de Adelaide, Australia.

7 Comments

Filed under Psicologia de Trading, Trading Plan

A China é uma bolha?

“The world has built a production capacity that it cannot consume” Hugh Hendry – most profitable hedge fund manager in 2010 (July YTD by Bloomberg)

Se voce esta comprado até as tampas em Vale do Rio Doce (CVRD), comprou opções de compra da Vale, é um perma bull na China e também acha que o Eike Batista é um dos caras mais inteligentes do Brasil e tem um monte de OGX e outros Xs na carteira, melhor continuar lendo este post.

Agora se acha que estou falando absurdo e que o seguinte axioma ainda é valido.

Um pais pode crescer 10% ao ano ad eternum.

Então, melhor não ler, senão está perdendo o seu precioso tempo.

Eu já escrevi que existem rumores que a China é uma tremenda bolha no meu outro blog e de alguma forma os dois posts estão ligados.

Antes que continue escrevendo queria deixar uma coisa clara aqui. Eu acredito que a China tem grandes chances de se tornar o pais mais rico do mundo entre 2030-2050 e que tera uma mudança de eixo de poder para a Ásia. Isso se os EUA nao entrar em Guerra contra a China e bombardear e destruir a Ásia antes da perda quase inevitável de sua hegemonia devido a uma guerra que não vai derramar uma gota de sangue, pois é uma guerra puramente econômica.

Acho que a China ser uma potencia mundial é ponto pacífico na minha opinião com coloquei na minha visão macro.

Nao estou aqui tentando ser profeta ou fazer uma previsão, mas estou tentando raciocinar as tendências macros estruturais que o mundo esta passando. O exercício nao é bom no sentido de adivinhar o que vai acontecer, entretanto acho que é valido entender quais são os possíveis cenários e se eles se desdobrarem seja qual for ele, voce sabe o que deve fazer ao invés de ficar sentado olhando vendo suas economias irem pro espaco e o mundo sendo implodido.

Dito isto, que acredito que a China tem grandes chances de ser a super potencia mundial nos próximos 20-30 anos, existe um excesso atualmente na China e podemos chamar isto de bolha e o risco de uma correção ao longo do caminho é grande. Se quer lucrar com este possivel risco ou crise continue lendo.

Se você tiver paciência leia esta excelente apresentação de powepoint (China Japan Presentation v3 – By Vitaliy Katsenelson ) Vitaliy N. Katsenelson, CFA, que brilhantemente expõe o caso que concordo.  Basicamente o post é um resumo desta apresentação

Se esta com preguiça de ler o original, então leia o resumo em português.

Basicamente a historia é a seguinte.

A China cresceu cerca de 9-10% ao ano entre 1998-2008 devido a investimento pesado em seu parque industrial. Todos os “planetas”  estavam alinhados para que este crescimento ocorresse como.

–          Desvalorização do Yuam manipulada

–          Bolha de credito mundial que permitiu o consumo das bugigangas chinesas que a maioria estão nos lixões e nas garagens dos americanos e dos europeus.

O que aconteceu em 2008, estouro da bolha de credito mundial, que causou a maior crise desde a de 1929, o modelo Chines exportador ficou em cheque e não mais sustentável, pois era a bolha de crédito que estava permitindo a China produzir um monte de lixo e exportar para o mundo.

O Brazil, Australia e outros países produtores de commodities se beneficiaram muito com este boom.

Entretanto, quando veio a crise em 2008 impressionatmente, a China continuou crescendo 7-8% ao ano em 2009-2010. Isto porque o governo Chines, que é uma ditadura, ingetou 14% do Pib na economia pra continuar a bola de neve rolando. Foi o maior estimulo em termos percentuais do PIB.  Então, como os numeros do PIB oficiais são publicados por agencias oficiais do governo, todo mundo acredita que a China ainda continua crescendo em um ritmo frenético.

E todo mundo continua se enganando e a ação das mineradoras subindo ou pelo menos mantém se em níveis altos.

O que pode se observar, entretanto, é que a China tem a maior capacidade inutilizada do mundo.

Por exemplo a capacidade produtiva da China em:

Cimento é maior que o consumo Indiano, japonês e Americanos juntos.

Aço é maior que a combinação do Japão e da Coreia.

Não é só na capacidade produtiva mas na utilização de espaços de escritório.

50% dos imóveis comerciais estão vazios ou 30 billoes de pes quadrados (squared feed) vazio o que dá um cubículo de 5×5 pra cada Chines. Só recordando que eles são 1.3 Bilhoes.

Existem cidades fantasmas na China como Ordos.

Agora entende porque os caras continuam comprando ferro da Vale, mesmo sem precisar.

Assim como aconteceu com o Japão no final da década de 80 a China atualmente é o pais que mais destroi capital no mundo, ou seja a China tem gasto muita grana em projetos que não geram fluxo de caixa com um retorno acima do custo de capital. Pra você que não entende nada de finanças e economia em outras palavras a China esta investindo todo a grana do lucro gerado na sua exportação em projetos improdutivos.

Assim como o Japão fez no final década de 80 investindo em imóveis que tiveram preços absurdamente irreais. Pra se ter uma ideia é 60-70% mais barato comprar um apartamento em Tóquio hoje em 2010 do que era em 1989, há 21 anos atrás.

A melhor medida, na minha opinião, de avaliar preço de imóveis é a relação preço médio dos imóveis/renda media. Quando a coisa desandou no Japão este indicador estava em 9.5X, Nos Eua o negocio estourou quando estava em 5X e na China hoje esta em 14X em algumas cidades e a média é 8.8x.

Ainda acha que pode subir mais?

Nao sou so eu que acha isso.

O short seller mais famoso do mundo, Jim Chanos, também acha o mesmo e esta se posicionando pra quando esta possivel bolha chinesa estourar.

Assista sua ultima entrevista aqui

O resumo da opera é o seguinte.

Caso a coisa desande na China você sabe o que tem que fazer: NÃO SEGURA as ações da Vale achando que ela vai recuperar. VENDE o mais rápido possível. Fica tranquilo que vai ter chance de re-comprar quando ela estiver valendo P/E baratinho.

O Brasil, Australia, Russia e Canada e qualquer outro pais exportador de commoditie serão os mais afetados por este possivel estouro de bolha.

Eu acredito que a única saída para a China é mudar o seu modelo econômico para o mercado interno.

Como dito na minha visão macro ela precisa se voltar para o mercado interno, deixar seu cambio flutuar e deixar se valorizar para que o poder de compra Chines aumente. O problema é que não pode fazer isto de noite para o dia.

Os dois mercados consumidores do mundo hoje são os EUA e a Uniao Europeira.

O PIB dos EUA é 15Trilhoes e o consumo corresponde a 10 Trilhoes

O PIB dos Europa é 15Trilhoes e o consumo corresponde a 10 Trilhoes

Somados eles consomem 20 Trilhoes.

A economia Chinesa é hoje de 5 Trilhoes mas o consume é apenas 2 Trilhoes.

Isso da 10% do consumo dos EUA e da Europa. Então, não da pra ter uma transferência do consumo destes países pra China da noite pro dia. Por isso, a China não pode parar de crescer é como o Onibus do filme Speed (Sandra Bullock e Keanu Reeves) se desacelerar explode. No caso da China implode.

Tem que ser gradual e pode levar de 10 a 20 anos pra isto acontecer. Acho que este será o caminho natural das coisas, mas acho que ate lá teremos lombadas no caminho e uma delas é essa grande correção. Embora ache que mais no longo prazo a China será a super potencia mundial.

Posso estar completamente errado e nada disto ocorrer e outras coisas ocorrerem como um meteoro atingir a terra e todos morrerem afogados, sei la!

Entretanto, esteja atento para o que pode acontecer e não fique com cara de sabão se o negocio desandar e  ficar fazendo preço médio em OGX e VALE.

9 Comments

Filed under Fundamentos, Reflexão, The Big Picture

Axiomas de Velaepavio

Este final de semana FINALMENTE li os Axiomas de Zurique de Max Gunther. Um livro interessante, mas ao meu ver um pouco perigoso, pois pode ser mal interpretado e levar investidores ao fracasso.

Concordo quase com todos axiomas. O único que não gostei foi o segundo, que alias discordo e acho o mais perigoso, pois vai de encontro com a minha principal regra de trade: LET THE PROFITS RUN.

Entretanto, Acho que os Axiomas de Zurique é muito feliz em dar ênfase em cortar as perdas rápido e concordo com todos estes pontos, mas peca na parte de deixar o lucro fluir. Pra mim isto não funciona, pois o método que uso é trend following. Concordo se for um método de mean reversion.

No geral acho que o livro está cheio de sabedoria e recomendo a leitura com cautela. Pode ser perigoso para n00bs.

Agora indo ao assunto do post: OS AXIOMAS de VELAEPAVIO, dou sequência a série de posts Vela’s Beliefs.

Segue minhas crenças sobre trading.

A maioria foi inspirada no The New Market Wizard the Jack Schwager, que pra mim é um modelo de operar com sucesso no mercado. Acredito  que se alguém quer ser bom em alguma coisa deve copiar quem esta sendo bem sucedido.

Disse isto no meu primeiro post que existe princípios fundamentais validos para qualquer tipo de trade não importa que estratégia seja usada e inclusive compartilhar este princípios foi um dos principais objetivos do blog.

Enfim segue a minha lista de crenças e princípios sobre trading.

1-      Ter um trading plan composto pelos seguintes elementos antes de colocar qualquer ordem no Mercado. E LOGICO o trading plan tem que ser seguido, principalemente o stop loss.

  1. Entrada
  2. Saida : Stop ou Profit
  3. Risk measure

2-      Cortar suas perdas rápido e deixar o lucro fluir. A COISA MAIS IMPORTANTE considerando que trade é um exercício psicológico e não técnico

3-      Aceitar completamente o risco envolvido em operar no mercado e entender que perder, e com frequência, faz parte do processo

4-      Saber exatamente qual sua motivação em operar no mercado

5-      Ter objetivos e metas claras em sua carreira como trader

6-      Operar com paixão como se não precisasse ser pago para operar.

7-      Ter um método de trading que ajuste a sua personalidade e estilo de vida

8-      Ter uma edge, que é uma metodologia que tem uma expectativa estatística positiva (lucrativa), que você acredita tanto que executa sem hesitar

9-      Sua edge deve ser desenvolvida e aprimorada por você mesmo através de um processo e trabalho árduo e a execução da estratégia deve ser natural e sem aplicação de esforço

10-   Operar consistentemente no mercado deve ser realizado em um estado de espírito pacifico e calmo devido a segurança que tem no seu método

11-   É completamente normal realizar prejuízo no mercado, entretanto os prejuízos devem ser mantidos os menores possíveis (cut your losses short)

12-   Gerenciamento de risco é crucial e mais importante que analise técnica

13-   Nunca arrisque mais que 1% do seu capital em um único trade

14-   Não arrisque mais do que 5% em todas suas apostas no mercado somadas

15-   Disciplina é fundamental e o processo de operar no mercado não pode nunca se tornar relaxado e complacente

16-   Sempre esteja alerto e atento a suas susceptibilidade de cometer erros.

17-   Você é 100% responsável pelos seus resultados, não importa se é lucro ou prejuízo

18-   Não compartilhe com os outros as posições que estão em aberto no momento

19-   Seja independente e não seja influenciado pela opinião de outros, lembre-se que você é o único responsável pela geração de suas idéias de trading

20-   Não seja influenciado pelo ruído das noticias, confie no seu sistema e na sua independência de tomar decisões. Se possível não assista ou leia o noticiário financeiro.

21-   Seja confiante e acredite no seu sistema e seu método desenvolvido por você

22-   Seja paciente, você não precisa sempre estar com uma posição aberta. Ficar em caixa é uma posição. Se o seu sistema disser não faça nada, não faça nada.

23-   Se o mercado mover muito rápido na sua direção, algo como 4X ATR + realize parcialmente os lucros.

24-   Aumente o tamanho da aposta quando estiver ganhando. Usando métodos de scale-in e diminua o tamanho de sua aposta quando estiver perdendo scale-out. Isto naturalmente é ajustado aplicando a regra de não arriscar mais do que 5% do capital.

25-   Não seja um herói, admita seus erros e permaneça humilde todos os dias de sua vida

26-   Foque em maximizar seus ganhos, não o numero de trades vencedores

27-   Não tenha um viés sobre o mercado como “sou Bull” ou “sou Bear” e nunca seja fiel a uma posição no mercado especialmente uma posição que esta perdendo

28-   Não tenha esperança que um trade perdedor vai se tornar num vencedor e lembre-se NUNCA FAÇA PREÇO MEDIO.

29-   Nunca viole as regras do seus sistema devido a isto te deixar mais confortável. Se seguir o seu sistema te deixa desconfortável, isto é um sinal que esta fazendo a coisa certa.

30-   Voce não conseguirá vencer se TEM que vencer. Esta pressão só vai levar você a fazer decisões estúpidas, mesmo que sua análise esteja correta

31-   Não arrisque dinheiro que não pode perder

32-   Pense duas vezes quando o mercado te coloca fora dos trilhos em um evento de um gap ou de um crash ou quando sua posição fica numa sinuca. Espere e pense, pois voce acabara saindo do buraco melhor do que pensaria quando a merda bateu no nentilador. Ficar nervoso não ajudará.

33-   Tenha uma mente aberta, principalmente para novas ideias. A mente é igual para quedas: só funciona quando está aberta

34-   O mercado não é um lugar para buscar adrenalina. Se quiser algo assim vai pular de para quedas.

35-   Preste atenção a sua intuição porque ela é experiência armazenada no seu subconsciente. De qualquer forma desafie e teste a intuição pra ver se faz sentido

36 – Não tenho uma opinião formada se os movimentos de preço são aleatórios ou não, mas uma coisa sei: Da pra ser consistentemente lucrativo no mercado

6 Comments

Filed under Psicologia de Trading, Reflexão, Vela's Beliefs

Qual a minha visão macro.

Seguindo aqui o que disse no último post aqui vai as minhas crenças sobre o Big Picture ou minha visão macro.

Em Novembro de 2010 (pois isso pode mudar com o tempo). Vou manter atualizado aqui no blog.

Então vão os pontos que estão na minha cabeça.

A) Os mercados de ações nos EUA estão em um ciclo de baixa de longo prazo (secular bear market) medido em termos de P/E. Acredito que dure por um tempo. Tudo começou em 2000 com o crash dot com e vai até o inicio do proximo Bull market de longo prazo em mais ou menos 2015 ou 2010 ou mais tarde.
B) A maior economia, atualmente os EUA, está em sérios apuros e eles são:

a.Uma enorme dívida e um enorme  passivo não financiado  de longo prazo (Medicare e da Segurança Social)
b. O desemprego estrutural que não pode ser sanado no curto prazo, porque os empregos criados na década de 2000 através do aumento da dívida pública e privada já se foram e não podem voltar da noite pro dia além de ter ocorrido uma transferência de 8 a 15 milhoes postos de trabalho industrial para a Ásia (China) e outros emergentes nos últimos 20 anos

C) A China foi a economia que mais se beneficiou com o crescimento alimentado pelo crédito, que não é um problema isolado nos EUA, mas global. No entanto, seu modelo de fabricação de exportação impulsionado pelo credito mundial não é sustentável porque está baseado em dois principais fatores.
a. Dívida em todo o mundo, que atingiu o pico em 2007-2008 não pode mais ser expandida e está em contração no momento (caso de deflação no ponto F.)
b. A moeda chinesa esta desvalorizada por meio de manipulação atrelado ao dólar dos EUA.
D) A China, devido ao seu superávit comercial consistente ao longo dos últimos 15 anos, acumulou 2,4 trilhões em reservas de ativos. O que tem ajudado é o ponto C.b manipulação de sua moeda que está acontecendo durante os últimos 16 anos (desde janeiro 1994), mantendo desvalorizada para tornar os produtos chineses relativamente mais baratos no mundo, fazendo a economia chinesa mais competitiva, alem do fator de sua mao de obra ser muito barata. As estimativas da paridade do poder de compra diz que é desvalorizada em torno de 60%. Também ao longo dos anos, a China comprou 1,4 trilhões em ativos denominados em dólares em títulos do tesouro e que de alguma forma manteve o maior mercado consumidor do mundo (EUA) rodando em uma farra de crédito insustentável.
E) O crash do mercado de 2008 idicou o auge da bolha de crédito, o que significa que haverá, já esta tendo, uma contração do crédito, ao invés de expansão ao redor do globo. Por causa deste risco, de deflação, existe uma postura atual do Chainman do FED dos EUA (Ben Bernanke), que é combater a deflação a qualquer custo. Bernanke acredita que há uma capacidade quase ilimitada de emissão de dívida a um custo muito baixo em dólar.Ele está sendo bem sucedido ate aqui. Suas medidas para evitar uma depressão ainda não causou inflação. Sua ferramenta ou tatica foi baixar as taxas de fed funds para ZERO, desincentivando poupança e incentivando investimento, combinado com isto ele embarcou na estratégia de quantitative easing para comprar dívida publica e injetar dinheiro na economia. O QEI foi cerca de 2 trilhões e agora 600 bilhões foi o QEII anunciado a uma semana. As consequências vem sendo um fluxo de liquidez no mercado de ações causando rally na bolsa, rally metais preciosos, rally de commodities, rally de títulos , fluxo pra mercados emergentes ou seja, tudo está indo subindo e ainda assim a economia de os EUA estão em péssimo estado e da economia mundial está se arrastando.
F) O ponto E leva à dicotomia do debate Inflação versus Deflação. O que leva à deflação, ja comentados nos pontos acima em termos simples, é a contracção de dívida, que atingiu níveis insustentáveis em 2008. Eu creio que é o caso mais forte e que eu defendo (leia posts anteriores). Por outro lado, devido à postura do Fed (ponto E), existe um risco de inflação monetária que irá sustentar inflação de demanda devido ao aumento dos preços das commodities em geral. Os preços do ouro atualmente é o reflexo desse cenário de um possível risco inflacionário. Também isto está ajudando no aumento no preço das commodities que são denominadas em USD que é a reserva de moeda mundial. Assim como o QE o dólar americano também fica mais fraco.

G) A Austrália (onde moro e todos meus ativos estão aqui) e outros países que têm reservas minerais e commodities produtores de qualquer tipo têm sido os grandes beneficiários do aumento da demanda por commodities (dã). Existem muitos benefícios para a economia da Austrália como ter tido em média 3,5% de crescimento nos últimos 15 anos e hoje tem uma das maiores rendas per capta do mundo, maior do que EUA, Canadá e Reino Unido. No entanto o modelo exportador australiano de mercadorias só é sustentável se a China mantém o seu ritmo, mas como eu mencionei acima o seu modelo não é sustentável no longo prazo, pelo menos a esta ritmo alucinado. No médio prazo vejo riscos e alguns obstáculos e crises devido a um risco enorme de desaceleração na China. Entretanto, a Austrália continuará a se beneficiar, desde que disponha de recursos debaixo da terra porque a demanda por recursos continuará no futuro (pontos I e J).
H) Atualmente a Austrália, devido a fatores como uma baixa taxa de desemprego e uma baixa taxa de juros, juntamente com o crescimento econômico nos últimos 15 anos, ela tem o mercado imobiliário mais caro do mundo medidos em relação entre o preco medio dos imoveis e a renda média. Esta em uma alarmante taxa de 7x. Também a sua moeda esta muito valorizado causada por muitas coisas como, aumento do preço do ouro, a alta diferenca de sua taxa de juros em relacao aos outros paises desenvolvidos (hoje o mais rentável carry trade AUD / USD). Então, se a China espirra Austrália vai pegar uma pneumonia e como o mercado esta inflado e altamente alavancado, em outras palavras endividado, ela corre o risco de uma crise homérica caso a China balançar.
I) Tentando agora colocar tudo junto, se isso é possível, porque a relação entre as coisas não são lineares. O modelo industrial exportador da China com crescimento de 9% ao ano da China não é sustentável, por causa dos pontos C.a. e C.b. e uma das soluções para sustentar o seu crescimento é se concentrar em seu mercado interno e não pode mais contar com um modelo de exportação industrial. Mas não pode fazê-lo rapidamente. Para conseguir tal feito a China necessidade precisa desvalorizar sua moeda ou deixá-lo flutuar, assim ela encontrará o seu equilíbrio. Isso permitirá o aumento do poder aquisitivo da população e a China pode reduzir o custo das importações e sua indústria pode se concentrar na demanda do mercado interno enorme que dá ainda mais prosperidade para a China que será, inevitavelmente, maior economia do mundo mais cedo do que a maioria pode pensar

J)E Finalmente, por último, mas não o menos importante. A sustentabilidade do meio ambiente do mundo está sob ameaça. Estamos assistindo ultimamente o preco dos commodities subindo rapidamente, devido ao aumento na demanda e que está causando ao mesmo tempo oportunidade de ganhar dinheiro neste mercado, bem como uma crise de recursos que vai ficar aqui por um tempo a menos que seja tratada com uma boa solução.

Resumindo o mundo esta esgotando seus recursos e as principal área de oportunidades e soluções são.

a. Petróleo / Energia. Estamos ficando sem petróleo, mas o grande problema é que já estamos viciados pelo “crack preto” e não podemos viver sem ele a menos que o mundo inteiro industrial mude drasticamente. A solução é criar um novo modelo  industrial, que é menos dependente ou totalmente independente do petróleo como um todo. Hoje o petróleo um a principal fonte de energia e matéria-prima de tudo o que consumimos (e.g. plástico). A boa notícia é que existem alternativas e os aumentos dos preços do petróleo só esta acelerando o processo de mudança.

b.Comida. O crescimento populacional e o aumento do padrão de vida nos países da Ásia e mercados emergentes é sempre crescente e tende a acelerar. Assim, a demanda por commodities agrícolas vai beneficiar quem tem terras agricultáveis. Assim que acho que países como Brasil, Rússia e EUA em boa posição neste cenário. Quem sabe finalmente Brasil, o celeiro do mundo.
c. Neste mesmo tópico a emergência de empresas inovadoras na área que eu chamo de tecnologia verde e eficiência será algo para assistir de perto.

Enfim esta são minhas crenças do Big Picture ou minha visão macro e neste cenário que vou procurar oportunidades de ganhar dinheiro em trade/investimento. Espero dar um zoom em áreas específicas quando achar oportuno, ou quando algo no cenário acontecer ou mudar.

1 Comment

Filed under Fundamentos, Reflexão, The Big Picture, Vela's Beliefs

No que você acredita?

Estes dias, devido a um bate bapo em um forum sobre como operar no mercado. Alias um  muito bom que fica no Site Senhor Mercado.

Alguem perguntou se o livro do Van Tharp “Super Trader” era bom ou nao. Acabei dando la minha opiniao, mas o motivo que queria trazer isto a tona foi que resolvi re-ler o livro. E por sinal foi muito bom. O interessante sobre reler livros como este, sobre principios, é que com mais maturidade acaba-se absorvendo mais o livro. E foi o que aconteceu quando lida segunda vez.

O livro trata muito da parte psicologica, sendo a mais importante em trade na minha opiniao. Acho que trade é uma questão de habilidades emocionais.

Um dos exercicios do livro é fazer um inventario de crencas ou fazer uma lista do que acredita. No final das contas isto influenciara grandemente na parte psicologica, pois lhe dara convicção do que acredita.

A importancia disto tudo esta no FATO que nós, serer humanos, fazemos o que acreditamos NATURALMENTE sem hesitar. Da mesma forma que evitamos a qualquer custo, mesmo que inconscimentemente, aquilo que não acreditamos.

Neste contexto a definição de “verdade” é bem interessante, pois é qualquer coisa que voce realmente acredita.

Exemplo de creças.

“Sair na rua a noite depois das 10:30 é perigoso” = Verdade

“Sair na rua a noite depois das 10:30 NAO é perigoso” = Verdade

“Vender a descoberto é uma forma de especulacao descarada” =Verdade

“Vendar a descoberto eh uma forma de ganhar dinheiro quando o mercado cai”= Verdade

“Analise fundamentalista funciona melhor que analise tecnica” = Verdade

“Analise Tecnica é melhor que analise fundamentalistas” = Verdade

“Bolsa é um lugar perigoso de investir dinheiro” = Verdade

“Trading é um casino” = Verdade

“Ouro é um bom investimento”= Verdade

“Se voce tomar manga com leite voce vai morrer”=Verdade

Percebeu que crencas diametralmente opostas e crencas “nada a ver”  podem ser perfeitamente “verdade”, contanto que voce acredite. Todos nos, queiramos ou nao, seguimos nossas crencas.

As origens destas crenças vem desde que nos formamos como pessoa, no ambiente que vivemos, a escola que frequentamos, os amigos que fizemos, os nossos pais (oh boy), nossas experiencias da vida, os livros que lemos.

Por isso, as vezes evito Foruns de discussao sobre mercado na internet porque voce depara com um monte de cara que acha que sao os donos da “verdade” ou em outras palavras os caras querem fazer voce engolir a crença deles guela a baixo e isso nao leva a lugar nenhum.

Um dos objetivos deste blog é colocar aqui as minhas crencas e como elas me ajudam em desenvolver e melhorar o meu trade. A cada dia percebo que é a unica forma de melhorar o meu trade, pois como disse anteriormente faz me fazer as coisas de forma natural e com convicção. Tipo quando se esta desenvolvendo um sistema, tem que acreditar no sistema para seguir as regras.

Quando comecei minha jornada em trade eu adquiri muitas novas crenças que anulou velhas crencas que tinha sobre trade e mercado. Se leu os post sobre jornada verá que eu mudei de opinião sobre trade. E muito. Ainda estou nesta jornada, mas estou na fase mais de ajustes finos agora, pois acredito que o principal esta bem consolidado.

No principio da jornada eu praticamente estava cego e precisava de uma reforma radical das minhas crencas sobre trading e o mercado. Por exemplo, coisas que antes acreditava e nao estava me levando a lugar nenhum foram eliminadas ou jogadas no lixo e otras NOVAS crencas entraram no meu repertorio.

Apos a leitura do livro do Super Trader resolvi documentar minhas crencas e fazer o exercicio de forma seria.

Assim estou lançando uma nova série de posts chamada: Vela’s beliefs.

Vou cobrir os seguintes pontos

  1. Big Picture
  2. Trading
  3. Conceitos de trade
  4. Melhores traders e no que eles acreditam
  5. Quais os segredos de fazer dinheiro no mercado
  6. Analise técnica e fundamentalista
  7. Noticias e midia
  8. Outros….

Quais sao as suas crencas? Voce ja pensou nisto? Voce não faz ideia de quais são? Quais crenças estão atrapalhando o seu trading e quais estao ajudando ?

Aguarde a serie Vela’s Beliefs.

8 Comments

Filed under Jornada, Psicologia de Trading, Reflexão, Vela's Beliefs

Visão Macro do Paul Tudor Jones

Ontem tinha preparado um post que iria falar sobre o que considero ser um trade system, ou sistema de trade na minha opinião, mas me deparei com uma carta do Paul Tudor Jones emitida recentemente para seus clientes que resolvi postá-la aqui.

Jones é um dos meus traders herois e gosto muito do seu estilo e forma de pensar estrategicamente.

O que lí foi musica para meus ouvidos. Meio que dispensa comentários. Eu nunca vi um cara com poder de sintetizar um assunto tão complexo e como ele estrategicamente identifica oportunidades no cenário.

Concordo com ele 100% e meio que o que ele disse é pra mim um framework do que devo acompanhar para identificar oportunidades de trade no desenrolar da situação. Já comentei alguns aspectos do que ele disse na carta na sessão do blog THE BIG PICTURE.

Basicamente toda a atenção no blood shed que o mercado de FOREX pode virar a qualquer momento e as melhores oportunidades ou o Trade do Seculo será com o Renminbi (ou YUAN)  em como que vai desenrolar a questão da sua atual sob valorização. Também qual será a postura dos EUA em relação a essa guerra cambial dentro do contexto que se encontra, endividado, com deficit comercial, com desemprego pior nos últimos 75 anos e um grave problema estrutural em sua economia, enfim a situação dos EUA não é nada boa pelo menos no médio prazo (2 a 5 anos).

Jones até cita o Brasil no artigo.

Enfim divirta-se com a leitura e poste seus comentários.

Vou colar aqui o texto na integra como citação

O texto foi retirado do site Zero Hedge.

From Paul Tudor Jones

Our extraordinary times offer extraordinary opportunities, but as with most opportunities, there will be winners and losers.

Economies in the developed world find themselves with unemployment levels not seen since the Great Depression. The response from respective governments has been massive fiscal stimulus in conjunction with monetary easing. And now many of these governments, having exhausted all fiscal stimulus measures that are politically feasible, are about to embark on another round of quantitative easing. The Bank of England, the Bank of Japan and the US Federal Reserve have implemented, or are considering implementing, significant rounds of government securities purchases.

Will these measures actually succeed in lowering the chronically high levels of unemployment? Or are the unemployment problems of these countries so structural in nature that these policies will have only limited impact?

We’ve enlisted modeling and forecasting firm Macroeconomic Advisers, LLC to assist with answers to these questions.

But, first, a story: About ten years ago I had an acute case of plantar fasciitis in the left foot, a condition in which the fascia, or the covering right beneath the skin, had become highly inflamed. I asked Pete Egoscue (egoscue.com), a renowned postural specialist but one without medical training, to take a look at my foot. Pete had, after all, healed a number of people I knew, including my wife. Because Pete was self-taught, I was a skeptic— as any good trader would be.

Pete said that he did not need to look at my foot because my foot was not the problem— a response that suggested I was dealing with a quack. But I was patient and continued to listen. He proceeded to explain that the pain in my left foot was the consequence of a structural, postural deficiency in my hip alignment. My right hip was rotated in such a fashion as to make the left side of my body do all the work and bear all the weight, culminating in the inflammation of my left foot. “The pain you feel in your left foot is just the symptom,” Pete said. “If you treat it symptomatically and ignore the structural issue, you will never solve the problem.” I did not immediately grasp the full meaning of his words, but I followed his prescription,and in a few days the pain was gone. Some time later I realized that those words were probably the wisest I have ever heard from any human being, and that they apply to more than just the human body.

The developed world, and the United States in particular, is suffering an economic malaise the likes of which we’ve seen  only rarely in the last 100 years. Policy makers are searching for solutions, but they are too focused on the painful symptoms of unemployment to see the misshapen structure causing it. In so doing, they are presenting some of the more wonderful trading opportunities in quite some time: winners and losers.

The root cause of the unemployment woes is quite obvious. In the United States alone, in the last two decades, nearly six million jobs in manufacturing have been lost overseas. This equates to nearly four percentage points of the current 9.7% US unemployment rate. As importantly, the migration of these jobs contributed to the most unsustainable economic imbalance in the world today—China’s persistent bilateral trade surplus with the United States. During the last decade, China accumulated almost $1.4 trillion of US debt and at least $2.3 trillion in global assets. These figures could grow to $3.8 trillion and $7 trillion, respectively, over the next decade if the current renminbi/US dollar (RMB/USD) exchange rate continues to be artificially suppressed from appreciating.

One entity owning this much debt of one debtor, let alone a foreign government, creates too much risk concentration, and has possibly repressed volatility for debtor and creditor alike. The risk may seem manageable now, but who knows what the nature and temperament of the Chinese and American leaders will be in ten years? Isn’t it possible that either side could weaponize financial imbalances to the detriment of domestic and global stability?

How did we get here? On January 1, 1994, China devalued its currency by 50% in a single day, and since then has experienced a manufacturing boom. After 15 years of impressive productivity gains relative to its trading partners, though, it now resists the smallest appreciation. (The IMF implies the RMB could be as much as 30% undervalued taking 2000 as a base, but absolute purchasing power parity would argue that undervaluation is even greater— possibly as much as 60%.) Clearly, there is a direct correlation between the six million manufacturing jobs lost in the US and the close to twelve million manufacturing jobs gained in China over the last two decades. Robert E. Scott, a Senior International Economist and Director of International Programs at the Economic Policy Institute, estimates that the growing trade deficit with China, a partial consequence of the undervalued RMB, cost the US 2.4 million jobs between 2001 and 2008 alone, the equivalent of 1.6% of the current unemployment rate.

As someone who has traded foreign exchange since 1980, I believe the RMB/USD rate is currently the single most important of all exchange rates. It not only drives the largest foreign trade relationship in the world, it also drives virtually every other exchange rate globally. Dozens of other emerging market countries suppress their exchange rate against the US dollar because the RMB is effectively pegged to the dollar. And what is remarkable is the lack of any concrete policy initiative in the US to change this. For several years, the US Treasury has threatened to name China as a currency manipulator but has always found a basis for avoidance. Even if Treasury cited China, it would just set in motion more negotiations that would likely go nowhere. The lone serious attempt to impose a cost on China’s distortion of global financial markets this year was congressional action on the Currency Reform for Fair Trade Act, known as the Ryan Bill, which would allow US companies to file complaints against China’s currency policies with the Commerce Department, and would empower the Department to levy tariffs and countervailing duties on imports from China.

The Ryan Bill passed in the House of Representatives a few weeks ago by a vote of 348 to 79 but is stalled in the Senate. It drew immediate ire from the Chamber of Commerce as well as from eight former US Trade Representatives to China. But it was the very advocacy of the Chamber of Commerce and those Trade Representatives that led us to our current trade deficit. As Einstein said, “Problems cannot be solved by the same level of thinking that created them.”

That so many Americans continue to accept this suppression of a variety of exchange rates against the dollar is probably a function of the fact that for so long this suppression provided benefits such as cheap goods and cheap credit. In addition, for a while, manufacturing jobs seemed to be replaced by jobs in the service economy and construction industry without any economic disruption or any rise in the unemployment rate. However, the bursting of the credit bubble exposed the true structural decay that had occurred in the US economy. But, like zombies, many Americans still cling to the naive belief that we can return to the good times of the 90s and the earlier part of this decade, unable or unwilling to recognize that those high times were a debt-driven anomaly.

This delusion is fueled by a myriad of financial pundits who warn about the dangers of disrupting free trade. They are quick to point out that the Ryan Bill is contrary to rules of the World Trade Organization. Incredibly, in the WTO’s rules of governance, there is not one reference in any of its documents to the underlying bilateral exchange rate between two countries when trying to reconcile trade differences. It is like trying to referee a World Cup match with a soccer ball that only the players can see. In the case of a controlled or manipulated exchange rate, it is patently unfair if the currency of one partner is grossly misaligned, as the RMB/USD rate is.

Any serious attempt to address the structural imbalance is met with a chorus of boos from financial industry pundits who rail against “protectionism.” In discussions involving the Ryan Bill, these pundits have few qualms with lobbing into the mix, like grenades, those most dangerous of words: “Trade War.” They often invoke the specter of Smoot-Hawley, the infamous US tariff act that triggered a trade war in which American exports and imports were slashed by half, leading a number of economists to argue that its passage contributed significantly to the Great Depression. But what they fail to see, or neglect to acknowledge, is that in modern times there never has been free trade with China; the US has already been in a trade war for nearly two decades; and it is the only time in this nation’s history it surrendered without ever firing a shot.

The United States lost six million jobs, indebted itself to China by $1.4 trillion, and received in return a host of consumer goods, many of which now reside in landfills across the country.

“Trade War” is a very dangerous phrase. Clearly, China and the US are commercial competitors and not enemies. There is no reason for “combat” in any sense of the term. The Chinese have set the RMB/USD peg artificially low because they believed it was necessary in order to shift from an agrarian to an industrial-based economy. The United States also  protected its nascent industrial sector when it did the same thing in the 19th century. Developing a significant export-oriented manufacturing base was part of an ambitious plan to relocate hundreds of millions of rural Chinese to cities where they could obtain manufacturing jobs and pursue a better life. It worked. China’s coasts now burst with export-dependent factories and cities. But now and going forward, China’s export strategy is completely unsustainable. In the intermediate term, much less the long term, it is becoming clear that the main buyer of China’s exports—the United States—can no longer foot the bill. A much better policy would be finding the right balance between domestic demand and exports through a stronger currency. Brazil did this brilliantly between 2005 and 2007. Their currency appreciated 34% against the dollar yet the economy grew 2% more than the prior three years and above what was thought previously to be the speed limit. The incoming Chinese administration of 2012 will be forced to contend with a population that has been relocated and retrained for jobs that may one day disappear, much as they did in the United States, all because China engaged in a futile attempt to avoid an inevitable re-equilibration of exchange rates. After all, one way or the other, the real US and Chinese exchange rate will find equilibrium– either through nominal movement or through relative inflation rates.

Just as the Chinese elite have become dangerously wed to an unsustainable export-driven manufacturing model, the US elite have become indifferent to mercantilist assaults on the global trade framework. In mid-September, when the Bank of Japan intervened to suppress the value of the yen against the dollar, there was no response from America’s political, financial and media leaders. While these interventions might have been understandable six years ago, when Japan’s economy was relatively less well off than that of the United States, they are far from necessary today: Japan has an unemployment rate that is half that of the United States and it still runs a trade surplus. Nonetheless, Japan intervened to protect its export industry, and the United States, incomprehensibly, responded with not even a whim

1 Comment

Filed under The Big Picture

Jesse Livermore quotes

Sem duvida um dos livros que revezo na meu criado mudo é o Classico Reminiscences of a Stock Operator. Muito bem escrito por Edwin Lefevre. É a biografia não autorizada do legendario trader Jesse Livermore.

Jesse Livermore

O meu capitulo preferido é o DEZ. Fala muito a mim e cada vez que leio ele confirma minhas crenças e convicções sobre como operar com sucesso no mercado.

Com certeza a minha favorita, que inclusive uso na minha assinatura de fóruns que participo como o Senhor Mercado.

“It would not be so difficult to make money if a trader always stuck to his speculative guns – that is, waited for the line of least resistance to define itself and began buying only when the tape said up or selling only when it said down”

Sobre flexibilidade:

“You must have an open mind and flexibility”

Natureza humana:

“… a man has to guard against many things, and most of all against himself – that is, against human nature”

Mais claro impossivel.

Sobre conselhos sabios que ouviu de um amigo. E isto esta na Biblia no livro de Eclesiates (Cap 1:9) escrito a quase 3000 anos atras:

“There is nothing new under the sun and least of all in the stock markets”

Ainda sobre a “burra” natureza humana:

“I find that the average speculator has arrayed against him his own nature. The weakness that all men are prone to are fatal to success in speculation”

No mesmo tom falando sobre o que a maioria dos “MACHOS” do mercado fazem e por isso 90% dos investidores perdem e 100% dos “MACHOS” perdem dinheiro no mercado.

“In specularion when the market goes against you you hope that every day will be the last day – and you lose more than you should had you NOT listened to hope – …. And when the market goes your way you become fearful that the next day will take away your profit, and you get out – too soon. Fear keeps you from making as much money as you ought to. The successful trader has to fight these two deep-seated instincts”

Agora o que todos deveriam fazer e so 10% dos traders fazem.

“He must fear that his loss may develop into a much bigger loss, and hope that his profit may become a big profit”

Pra finalizar sobre certeza

“You cannot be dead sure of anything in speculative operation”

e

“Speculation cannot be made 100 per cent safe”

Pra justica do autor, todos os grifos sao de Velaepavio.

5 Comments

Filed under Biblioteca, Psicologia de Trading, Reflexão

Bolsa SEMPRE da dinheiro no longo prazo?

Resposta curta:  Depende da sua definicao de longo prazo.

Resposta longa: Devido não ser possivel responder a tal pergunta com um simples SIM ou um Nao, então, vou dar minha opiniao sobre a assertiva do título acima.

Primeiro ponto a se definir é:  o que eh Longo Prazo? Se longo prazo for 1 ano por exemplo, que é a definiao de ciclos contabeis a resposta é NÃO. Partindo do pressuposto que a afirmacao é SEMPRE verdadeira, ou 100% dos casos.

Se a resposta for 3 anos, 10 ou ainda 15 anos a resposta ainda é nao?

Antes que prossiga no post queria deixar claro aqui que estou usando como “BOLSA” o indice DOW Jones, para minha analise. Isto porque é o indice calculado que tem a maior historia pra chegar-se a algumas conclusão. Nao me atreveria a fazer isto com o IBOVESPA pois comecou em 1968, se não me falha a memória. Alias se voce quer ter uma ideia sobre indices de acoes leia o livro do Helio de Paula Leite.  Foi meu professor de financas na GV, que Deus o tenha. Um dos melhores professores que tive na graduacao.

Lembro que a prova de Portfolio Theory foi uma prova de estatistica avancada. Lembro que a classe ficou revoltada. E sua resposta ireverente foi: “Markowitz ganhou o premio nobel de Economia com uma tese de “estatistica” e nao de economia ou financas”.

Certo ele e errado os reclamoes.

Enfim, voltando ao post o maior periodo que o Dow demorou para recuperar de um bear market foram 25 anos, sendo de 1929 a 1954. Isto quer dizer que o individuo que acreditava que bolsa SEMPRE da dinheiro no longo prazo teve que esperar 25 anos para ficar no ZERO a ZERO. Se considerarmos inflacao este pediodo foi ainda maior.

Veja gráfico do Dow nos ultimos 100 anos.

Entao,  tirando minha primeira conclusão. Se voce considera que 25 anos, ou mais, é a medida de longo prazo, logo a reposta é SIM a bolsa SEMPRE da dinheiro no longo prazo.

Em Janeiro de 2010 eu escrevi um post que me deu um trabalhinho, sobre qual foi o investimento da Decada: Link aqui.

Espero que curta este post deste meu outro blog. Eu fiz a comparacao entre alguns investimentos e descontei coisas como inflação e cambio para normalizar os resultados para chegar a alguma conclusao de qual era melhor investimento da decada de 2000.

Quando era vendedor de fundo de investimentos na Hedging Griffo eu basicamente era “impelido” a dizer para os meus cliente, pois este era o discurso que aprendi, que investimento em Bolsa so se pode avaliar depois de 3 anos, pois os altos e baixos eram “normais”. Se vendia muito a ideia que em bolsa o que funciona era o Buy and Hold. Compra e segura, em portugues. Se olhar na decada de 80 e 90 isso era a mais pura verdade, mas se olhar num prazo maior como 100 anos, 20 anos pode não ser o suficiente, como demostrado acima.

Por exemplo, quem comprou e segurou Nasdaq ou Dow Jones em 2000, depois de quase 11 anos ainda estao no negativo.

Tambem quem comprou o indice Dow em 1965 so saiu do Zero a Zero em 1981. Embora ter sido um periodo de crescimento economico a bolsa ficou “de lado”.

Mudando um pouco de assunto, eu sou adepto da teoria que no mercado existem Bull e Bear markets seculares, ou em outras palavras, longo prazo.

Acredito que o mercado atualmente esta em um secular bear market que comecou em 1999/2000 e acho que ainda vai durar um “pouco”.

A medida que defino Bull e Bear é em relacao a P/E (Price/Earnings). Em um bull market o P/E tendem a subir e em um Bear Market tendem a cair. Se quiser saber mais leia o livro Unexpected Returns. Tai estou citando outros livros da minha biblioteca.

Outra boa medida, pouco objetiva, entretanto util, é que um Bull market termina quando “todo mundo” esta Bullish e um Bear quando “todo mundo” esta bearish.

Tipo quando voce for a um restaurante e o garcom estiver falando em comprar acao… e ate o gari esta pensando em entrar no mercado de acoes esta na hora de vender TUDO. A tipica estrategia ZEM (ZERA ESSA MERDA) é recomendada. Mais ou menos o que aconteceu no Brasil em 2008 onde até o “Ze Mane” tinha dinheiro do FGTS na Petro e na Vale.

Por outro lado, quando a manchete da Veja for: O FIM DA RENDA VARIAVEL. Então esta na hora de vender a casa, o fusca o barco o sitio e a fazenda e comprar acao.

Assim, quando ta todo mundo tomando porrada, e nao aguenta mais perder dinheiro na bolsa e P/E medio esta em torno de um digito. Algo como 5x, por exemplo, então hora de apostar o rancho em acoes.

Momentos como este foram 1932/33, 1981/82 e mais recentemente, ate certo grau, Marco de 2009. Foi quando as acoes do Citibank chegaram em 99c. Ate a Agencia Dow abriu uma excecao a regra onde pela primeira vez uma acao cotada a menos de 1 dolar fez parte do indice. Foi ai que comecou o Rally de 2009 que foi o maior rally da historia da bolsa nos EUA, medido em rendimento em um curto espaco de tempo, ou seja, do fundo em Marco ate o pico em Setembro. Algo como 70% de aumento em 6 meses.

Agora antes que pare de ler o meu blog e me escomunge porque apesar de ser um cara “tecnico” porque estou aqui falando de fundamentos.

Aproveito a oportunidade, depois de ja ter cumprido o proposito do post de dar minha opiniao sobre a acertiva do título, é explicar que partes dos fundamentos eu olho.

Como ja foi explicado na introducao da sessao THE BIG PICTURE.  Eu nao invisto em ativos olhando os fundamentos como balanco etc. Sou um trader baseado em sistemas e pra mim trade é um jogo estatistico, entretanto eu acompanho a visao macro pra ter uma ideia de qual sistema que opero esta mais propenso a dar dinheiro devido as condicoes do mercado. Tambem trabalho com possiveis cenarios para onde o mercado pode ir no futuro.

Atualmente trabalho com o cenarios de deflacao e inflacao que acompanho e tambem com a analise do secular bear market que estamos, na minha opinião, e assim vou levando. Ainda acredito que o bear market nao acabou e que ainda estamos num momento deflacionario ou retracao de credito. Nao sei quanto isto ainda vai durar, mas ainda nao vi evidencia do contrario.

Pode ser que depois deste periodo entremos em um novo periodo de prosperidade ou entremos ate em um periodo de stagflacao, que acho pouco provavel, mas nao impossivel.

Nao gosto de dar datas, mas acho que vai demorar um pouco pras coisas melhorarem. Algo como 2 a 5 anos acredito eu… ou mais… Entao colocando datas algo como 2012 ou 2013 + plus.

A principal razão é porque  precisamos “Expurgar a PODRIDAO do Sistema” em outras palavras a quantidade de divida e alavancagem no sistema. Por isso, sou mais pendente a apoiar a ideia da deflacao. E isto so da pra curar com o tempo.

Não adianta imprimir dinheiro e estimular a economia.

Isto é igual o cara que ta gripado e toma analgesico pra passar os sintomas e o virus ainda continua la e a gripe so vai passar com o tempo.

A mesma analogia podemos usar para o Quantitative Easing, i.e., impressao de dinheiro, que o Ben Bernanke esta fazendo, isso so posterga a solucao do problema na minha opinião. Outra analogia, se não é abusar muito delas, é como dar mais bebida pra alguem que ja esta bebado.

3 Comments

Filed under Biblioteca, Psicologia de Trading, Reflexão, The Big Picture