Visão Macro do Paul Tudor Jones

Ontem tinha preparado um post que iria falar sobre o que considero ser um trade system, ou sistema de trade na minha opinião, mas me deparei com uma carta do Paul Tudor Jones emitida recentemente para seus clientes que resolvi postá-la aqui.

Jones é um dos meus traders herois e gosto muito do seu estilo e forma de pensar estrategicamente.

O que lí foi musica para meus ouvidos. Meio que dispensa comentários. Eu nunca vi um cara com poder de sintetizar um assunto tão complexo e como ele estrategicamente identifica oportunidades no cenário.

Concordo com ele 100% e meio que o que ele disse é pra mim um framework do que devo acompanhar para identificar oportunidades de trade no desenrolar da situação. Já comentei alguns aspectos do que ele disse na carta na sessão do blog THE BIG PICTURE.

Basicamente toda a atenção no blood shed que o mercado de FOREX pode virar a qualquer momento e as melhores oportunidades ou o Trade do Seculo será com o Renminbi (ou YUAN)  em como que vai desenrolar a questão da sua atual sob valorização. Também qual será a postura dos EUA em relação a essa guerra cambial dentro do contexto que se encontra, endividado, com deficit comercial, com desemprego pior nos últimos 75 anos e um grave problema estrutural em sua economia, enfim a situação dos EUA não é nada boa pelo menos no médio prazo (2 a 5 anos).

Jones até cita o Brasil no artigo.

Enfim divirta-se com a leitura e poste seus comentários.

Vou colar aqui o texto na integra como citação

O texto foi retirado do site Zero Hedge.

From Paul Tudor Jones

Our extraordinary times offer extraordinary opportunities, but as with most opportunities, there will be winners and losers.

Economies in the developed world find themselves with unemployment levels not seen since the Great Depression. The response from respective governments has been massive fiscal stimulus in conjunction with monetary easing. And now many of these governments, having exhausted all fiscal stimulus measures that are politically feasible, are about to embark on another round of quantitative easing. The Bank of England, the Bank of Japan and the US Federal Reserve have implemented, or are considering implementing, significant rounds of government securities purchases.

Will these measures actually succeed in lowering the chronically high levels of unemployment? Or are the unemployment problems of these countries so structural in nature that these policies will have only limited impact?

We’ve enlisted modeling and forecasting firm Macroeconomic Advisers, LLC to assist with answers to these questions.

But, first, a story: About ten years ago I had an acute case of plantar fasciitis in the left foot, a condition in which the fascia, or the covering right beneath the skin, had become highly inflamed. I asked Pete Egoscue (egoscue.com), a renowned postural specialist but one without medical training, to take a look at my foot. Pete had, after all, healed a number of people I knew, including my wife. Because Pete was self-taught, I was a skeptic— as any good trader would be.

Pete said that he did not need to look at my foot because my foot was not the problem— a response that suggested I was dealing with a quack. But I was patient and continued to listen. He proceeded to explain that the pain in my left foot was the consequence of a structural, postural deficiency in my hip alignment. My right hip was rotated in such a fashion as to make the left side of my body do all the work and bear all the weight, culminating in the inflammation of my left foot. “The pain you feel in your left foot is just the symptom,” Pete said. “If you treat it symptomatically and ignore the structural issue, you will never solve the problem.” I did not immediately grasp the full meaning of his words, but I followed his prescription,and in a few days the pain was gone. Some time later I realized that those words were probably the wisest I have ever heard from any human being, and that they apply to more than just the human body.

The developed world, and the United States in particular, is suffering an economic malaise the likes of which we’ve seen  only rarely in the last 100 years. Policy makers are searching for solutions, but they are too focused on the painful symptoms of unemployment to see the misshapen structure causing it. In so doing, they are presenting some of the more wonderful trading opportunities in quite some time: winners and losers.

The root cause of the unemployment woes is quite obvious. In the United States alone, in the last two decades, nearly six million jobs in manufacturing have been lost overseas. This equates to nearly four percentage points of the current 9.7% US unemployment rate. As importantly, the migration of these jobs contributed to the most unsustainable economic imbalance in the world today—China’s persistent bilateral trade surplus with the United States. During the last decade, China accumulated almost $1.4 trillion of US debt and at least $2.3 trillion in global assets. These figures could grow to $3.8 trillion and $7 trillion, respectively, over the next decade if the current renminbi/US dollar (RMB/USD) exchange rate continues to be artificially suppressed from appreciating.

One entity owning this much debt of one debtor, let alone a foreign government, creates too much risk concentration, and has possibly repressed volatility for debtor and creditor alike. The risk may seem manageable now, but who knows what the nature and temperament of the Chinese and American leaders will be in ten years? Isn’t it possible that either side could weaponize financial imbalances to the detriment of domestic and global stability?

How did we get here? On January 1, 1994, China devalued its currency by 50% in a single day, and since then has experienced a manufacturing boom. After 15 years of impressive productivity gains relative to its trading partners, though, it now resists the smallest appreciation. (The IMF implies the RMB could be as much as 30% undervalued taking 2000 as a base, but absolute purchasing power parity would argue that undervaluation is even greater— possibly as much as 60%.) Clearly, there is a direct correlation between the six million manufacturing jobs lost in the US and the close to twelve million manufacturing jobs gained in China over the last two decades. Robert E. Scott, a Senior International Economist and Director of International Programs at the Economic Policy Institute, estimates that the growing trade deficit with China, a partial consequence of the undervalued RMB, cost the US 2.4 million jobs between 2001 and 2008 alone, the equivalent of 1.6% of the current unemployment rate.

As someone who has traded foreign exchange since 1980, I believe the RMB/USD rate is currently the single most important of all exchange rates. It not only drives the largest foreign trade relationship in the world, it also drives virtually every other exchange rate globally. Dozens of other emerging market countries suppress their exchange rate against the US dollar because the RMB is effectively pegged to the dollar. And what is remarkable is the lack of any concrete policy initiative in the US to change this. For several years, the US Treasury has threatened to name China as a currency manipulator but has always found a basis for avoidance. Even if Treasury cited China, it would just set in motion more negotiations that would likely go nowhere. The lone serious attempt to impose a cost on China’s distortion of global financial markets this year was congressional action on the Currency Reform for Fair Trade Act, known as the Ryan Bill, which would allow US companies to file complaints against China’s currency policies with the Commerce Department, and would empower the Department to levy tariffs and countervailing duties on imports from China.

The Ryan Bill passed in the House of Representatives a few weeks ago by a vote of 348 to 79 but is stalled in the Senate. It drew immediate ire from the Chamber of Commerce as well as from eight former US Trade Representatives to China. But it was the very advocacy of the Chamber of Commerce and those Trade Representatives that led us to our current trade deficit. As Einstein said, “Problems cannot be solved by the same level of thinking that created them.”

That so many Americans continue to accept this suppression of a variety of exchange rates against the dollar is probably a function of the fact that for so long this suppression provided benefits such as cheap goods and cheap credit. In addition, for a while, manufacturing jobs seemed to be replaced by jobs in the service economy and construction industry without any economic disruption or any rise in the unemployment rate. However, the bursting of the credit bubble exposed the true structural decay that had occurred in the US economy. But, like zombies, many Americans still cling to the naive belief that we can return to the good times of the 90s and the earlier part of this decade, unable or unwilling to recognize that those high times were a debt-driven anomaly.

This delusion is fueled by a myriad of financial pundits who warn about the dangers of disrupting free trade. They are quick to point out that the Ryan Bill is contrary to rules of the World Trade Organization. Incredibly, in the WTO’s rules of governance, there is not one reference in any of its documents to the underlying bilateral exchange rate between two countries when trying to reconcile trade differences. It is like trying to referee a World Cup match with a soccer ball that only the players can see. In the case of a controlled or manipulated exchange rate, it is patently unfair if the currency of one partner is grossly misaligned, as the RMB/USD rate is.

Any serious attempt to address the structural imbalance is met with a chorus of boos from financial industry pundits who rail against “protectionism.” In discussions involving the Ryan Bill, these pundits have few qualms with lobbing into the mix, like grenades, those most dangerous of words: “Trade War.” They often invoke the specter of Smoot-Hawley, the infamous US tariff act that triggered a trade war in which American exports and imports were slashed by half, leading a number of economists to argue that its passage contributed significantly to the Great Depression. But what they fail to see, or neglect to acknowledge, is that in modern times there never has been free trade with China; the US has already been in a trade war for nearly two decades; and it is the only time in this nation’s history it surrendered without ever firing a shot.

The United States lost six million jobs, indebted itself to China by $1.4 trillion, and received in return a host of consumer goods, many of which now reside in landfills across the country.

“Trade War” is a very dangerous phrase. Clearly, China and the US are commercial competitors and not enemies. There is no reason for “combat” in any sense of the term. The Chinese have set the RMB/USD peg artificially low because they believed it was necessary in order to shift from an agrarian to an industrial-based economy. The United States also  protected its nascent industrial sector when it did the same thing in the 19th century. Developing a significant export-oriented manufacturing base was part of an ambitious plan to relocate hundreds of millions of rural Chinese to cities where they could obtain manufacturing jobs and pursue a better life. It worked. China’s coasts now burst with export-dependent factories and cities. But now and going forward, China’s export strategy is completely unsustainable. In the intermediate term, much less the long term, it is becoming clear that the main buyer of China’s exports—the United States—can no longer foot the bill. A much better policy would be finding the right balance between domestic demand and exports through a stronger currency. Brazil did this brilliantly between 2005 and 2007. Their currency appreciated 34% against the dollar yet the economy grew 2% more than the prior three years and above what was thought previously to be the speed limit. The incoming Chinese administration of 2012 will be forced to contend with a population that has been relocated and retrained for jobs that may one day disappear, much as they did in the United States, all because China engaged in a futile attempt to avoid an inevitable re-equilibration of exchange rates. After all, one way or the other, the real US and Chinese exchange rate will find equilibrium– either through nominal movement or through relative inflation rates.

Just as the Chinese elite have become dangerously wed to an unsustainable export-driven manufacturing model, the US elite have become indifferent to mercantilist assaults on the global trade framework. In mid-September, when the Bank of Japan intervened to suppress the value of the yen against the dollar, there was no response from America’s political, financial and media leaders. While these interventions might have been understandable six years ago, when Japan’s economy was relatively less well off than that of the United States, they are far from necessary today: Japan has an unemployment rate that is half that of the United States and it still runs a trade surplus. Nonetheless, Japan intervened to protect its export industry, and the United States, incomprehensibly, responded with not even a whim

Jesse Livermore quotes

Sem duvida um dos livros que revezo na meu criado mudo é o Classico Reminiscences of a Stock Operator. Muito bem escrito por Edwin Lefevre. É a biografia não autorizada do legendario trader Jesse Livermore.

Jesse Livermore

O meu capitulo preferido é o DEZ. Fala muito a mim e cada vez que leio ele confirma minhas crenças e convicções sobre como operar com sucesso no mercado.

Com certeza a minha favorita, que inclusive uso na minha assinatura de fóruns que participo como o Senhor Mercado.

“It would not be so difficult to make money if a trader always stuck to his speculative guns – that is, waited for the line of least resistance to define itself and began buying only when the tape said up or selling only when it said down”

Sobre flexibilidade:

“You must have an open mind and flexibility”

Natureza humana:

“… a man has to guard against many things, and most of all against himself – that is, against human nature”

Mais claro impossivel.

Sobre conselhos sabios que ouviu de um amigo. E isto esta na Biblia no livro de Eclesiates (Cap 1:9) escrito a quase 3000 anos atras:

“There is nothing new under the sun and least of all in the stock markets”

Ainda sobre a “burra” natureza humana:

“I find that the average speculator has arrayed against him his own nature. The weakness that all men are prone to are fatal to success in speculation”

No mesmo tom falando sobre o que a maioria dos “MACHOS” do mercado fazem e por isso 90% dos investidores perdem e 100% dos “MACHOS” perdem dinheiro no mercado.

“In specularion when the market goes against you you hope that every day will be the last day – and you lose more than you should had you NOT listened to hope – …. And when the market goes your way you become fearful that the next day will take away your profit, and you get out – too soon. Fear keeps you from making as much money as you ought to. The successful trader has to fight these two deep-seated instincts”

Agora o que todos deveriam fazer e so 10% dos traders fazem.

“He must fear that his loss may develop into a much bigger loss, and hope that his profit may become a big profit”

Pra finalizar sobre certeza

“You cannot be dead sure of anything in speculative operation”

e

“Speculation cannot be made 100 per cent safe”

Pra justica do autor, todos os grifos sao de Velaepavio.

Bolsa SEMPRE da dinheiro no longo prazo?

Resposta curta:  Depende da sua definicao de longo prazo.

Resposta longa: Devido não ser possivel responder a tal pergunta com um simples SIM ou um Nao, então, vou dar minha opiniao sobre a assertiva do título acima.

Primeiro ponto a se definir é:  o que eh Longo Prazo? Se longo prazo for 1 ano por exemplo, que é a definiao de ciclos contabeis a resposta é NÃO. Partindo do pressuposto que a afirmacao é SEMPRE verdadeira, ou 100% dos casos.

Se a resposta for 3 anos, 10 ou ainda 15 anos a resposta ainda é nao?

Antes que prossiga no post queria deixar claro aqui que estou usando como “BOLSA” o indice DOW Jones, para minha analise. Isto porque é o indice calculado que tem a maior historia pra chegar-se a algumas conclusão. Nao me atreveria a fazer isto com o IBOVESPA pois comecou em 1968, se não me falha a memória. Alias se voce quer ter uma ideia sobre indices de acoes leia o livro do Helio de Paula Leite.  Foi meu professor de financas na GV, que Deus o tenha. Um dos melhores professores que tive na graduacao.

Lembro que a prova de Portfolio Theory foi uma prova de estatistica avancada. Lembro que a classe ficou revoltada. E sua resposta ireverente foi: “Markowitz ganhou o premio nobel de Economia com uma tese de “estatistica” e nao de economia ou financas”.

Certo ele e errado os reclamoes.

Enfim, voltando ao post o maior periodo que o Dow demorou para recuperar de um bear market foram 25 anos, sendo de 1929 a 1954. Isto quer dizer que o individuo que acreditava que bolsa SEMPRE da dinheiro no longo prazo teve que esperar 25 anos para ficar no ZERO a ZERO. Se considerarmos inflacao este pediodo foi ainda maior.

Veja gráfico do Dow nos ultimos 100 anos.

Entao,  tirando minha primeira conclusão. Se voce considera que 25 anos, ou mais, é a medida de longo prazo, logo a reposta é SIM a bolsa SEMPRE da dinheiro no longo prazo.

Em Janeiro de 2010 eu escrevi um post que me deu um trabalhinho, sobre qual foi o investimento da Decada: Link aqui.

Espero que curta este post deste meu outro blog. Eu fiz a comparacao entre alguns investimentos e descontei coisas como inflação e cambio para normalizar os resultados para chegar a alguma conclusao de qual era melhor investimento da decada de 2000.

Quando era vendedor de fundo de investimentos na Hedging Griffo eu basicamente era “impelido” a dizer para os meus cliente, pois este era o discurso que aprendi, que investimento em Bolsa so se pode avaliar depois de 3 anos, pois os altos e baixos eram “normais”. Se vendia muito a ideia que em bolsa o que funciona era o Buy and Hold. Compra e segura, em portugues. Se olhar na decada de 80 e 90 isso era a mais pura verdade, mas se olhar num prazo maior como 100 anos, 20 anos pode não ser o suficiente, como demostrado acima.

Por exemplo, quem comprou e segurou Nasdaq ou Dow Jones em 2000, depois de quase 11 anos ainda estao no negativo.

Tambem quem comprou o indice Dow em 1965 so saiu do Zero a Zero em 1981. Embora ter sido um periodo de crescimento economico a bolsa ficou “de lado”.

Mudando um pouco de assunto, eu sou adepto da teoria que no mercado existem Bull e Bear markets seculares, ou em outras palavras, longo prazo.

Acredito que o mercado atualmente esta em um secular bear market que comecou em 1999/2000 e acho que ainda vai durar um “pouco”.

A medida que defino Bull e Bear é em relacao a P/E (Price/Earnings). Em um bull market o P/E tendem a subir e em um Bear Market tendem a cair. Se quiser saber mais leia o livro Unexpected Returns. Tai estou citando outros livros da minha biblioteca.

Outra boa medida, pouco objetiva, entretanto util, é que um Bull market termina quando “todo mundo” esta Bullish e um Bear quando “todo mundo” esta bearish.

Tipo quando voce for a um restaurante e o garcom estiver falando em comprar acao… e ate o gari esta pensando em entrar no mercado de acoes esta na hora de vender TUDO. A tipica estrategia ZEM (ZERA ESSA MERDA) é recomendada. Mais ou menos o que aconteceu no Brasil em 2008 onde até o “Ze Mane” tinha dinheiro do FGTS na Petro e na Vale.

Por outro lado, quando a manchete da Veja for: O FIM DA RENDA VARIAVEL. Então esta na hora de vender a casa, o fusca o barco o sitio e a fazenda e comprar acao.

Assim, quando ta todo mundo tomando porrada, e nao aguenta mais perder dinheiro na bolsa e P/E medio esta em torno de um digito. Algo como 5x, por exemplo, então hora de apostar o rancho em acoes.

Momentos como este foram 1932/33, 1981/82 e mais recentemente, ate certo grau, Marco de 2009. Foi quando as acoes do Citibank chegaram em 99c. Ate a Agencia Dow abriu uma excecao a regra onde pela primeira vez uma acao cotada a menos de 1 dolar fez parte do indice. Foi ai que comecou o Rally de 2009 que foi o maior rally da historia da bolsa nos EUA, medido em rendimento em um curto espaco de tempo, ou seja, do fundo em Marco ate o pico em Setembro. Algo como 70% de aumento em 6 meses.

Agora antes que pare de ler o meu blog e me escomunge porque apesar de ser um cara “tecnico” porque estou aqui falando de fundamentos.

Aproveito a oportunidade, depois de ja ter cumprido o proposito do post de dar minha opiniao sobre a acertiva do título, é explicar que partes dos fundamentos eu olho.

Como ja foi explicado na introducao da sessao THE BIG PICTURE.  Eu nao invisto em ativos olhando os fundamentos como balanco etc. Sou um trader baseado em sistemas e pra mim trade é um jogo estatistico, entretanto eu acompanho a visao macro pra ter uma ideia de qual sistema que opero esta mais propenso a dar dinheiro devido as condicoes do mercado. Tambem trabalho com possiveis cenarios para onde o mercado pode ir no futuro.

Atualmente trabalho com o cenarios de deflacao e inflacao que acompanho e tambem com a analise do secular bear market que estamos, na minha opinião, e assim vou levando. Ainda acredito que o bear market nao acabou e que ainda estamos num momento deflacionario ou retracao de credito. Nao sei quanto isto ainda vai durar, mas ainda nao vi evidencia do contrario.

Pode ser que depois deste periodo entremos em um novo periodo de prosperidade ou entremos ate em um periodo de stagflacao, que acho pouco provavel, mas nao impossivel.

Nao gosto de dar datas, mas acho que vai demorar um pouco pras coisas melhorarem. Algo como 2 a 5 anos acredito eu… ou mais… Entao colocando datas algo como 2012 ou 2013 + plus.

A principal razão é porque  precisamos “Expurgar a PODRIDAO do Sistema” em outras palavras a quantidade de divida e alavancagem no sistema. Por isso, sou mais pendente a apoiar a ideia da deflacao. E isto so da pra curar com o tempo.

Não adianta imprimir dinheiro e estimular a economia.

Isto é igual o cara que ta gripado e toma analgesico pra passar os sintomas e o virus ainda continua la e a gripe so vai passar com o tempo.

A mesma analogia podemos usar para o Quantitative Easing, i.e., impressao de dinheiro, que o Ben Bernanke esta fazendo, isso so posterga a solucao do problema na minha opinião. Outra analogia, se não é abusar muito delas, é como dar mais bebida pra alguem que ja esta bebado.

Angulo da media movel e trend following

Ja comentei de trend following aqui no blog e com certeza é minha estrategia preferida.

Esta  estrategia é utilizada pelos “melhores” traders … err, ou pelo menos meus preferidos, do livro Marke Wizards. Tambem é a estrategia onde a maxima “cut your loss short and let your profits run” faz todo sendo.

O reves desta estrategia é que ela tem relativamente um baixo indice de acerto. Geralmente algo em torno de 30% a 40% e dependendo de suas regras de money management pode te dar drawdowns fortes. Porem, utilizando esta estrategia vale a verdade da NAO necessidade de estar certo a maior parte do tempo pra ser lucrativo no mercado.

Tambem Trend Following é uma estrategia que exige paciencia, pois o mercado somente esta em tendencia 35-40% do tempo. Pelo menos na minha definicao do que é uma tendencia e isso varia de acordo com o metodo de cada um. POr exemplo, segundo minha pesquisa e minha definicao de tendencia o XJO, indice das 200 maiores empresas da ASX (bolsa australiana) nos ultimos 15 anos esteve 59% do tempo de lado, 27% bull e 14% bear. Mas isto é assunto para um outro post.

Agora se voce esta acompanhando o blog e ja leu sobre trend following deve estar ou ja se perguntou como que esta estrategia funciona nos detalhes????

Então, vou compartilhar com voce alguns dos meus “segredos” de como operar.

Na verdade nao tem nenhum segredo. So estou colocando aqui no blog uma informacao publica que algumas pessoas acreditam e fazem dinheiro delas, outras nao acreditam e ignoram e outras simplesmente nao sabem.

Basicamente trend following funciona assim passo a passo.

1-      Voce idenfifica uma tendencia

2-      Voce entra na direcao da tendencia

3-      Voce continua na direcao da tendencia ate ela parar ou mudar de direcao

Simples assim? SIM.

Nem tanto, pois sao conceitos vagos ate aqui. Como que matematicamente e objetivamente eu define os passos 1, 2 e 3.

Neste post vou me dedicar ao passo 1 de como identificar tendencias?

Existem zilhoes de metodologias, mas vou dedicar este post a uma metodologia de identificar tendencias no mercado de acao. Lembre que a pesquisa que fiz funciona para o mercado Australiano. Eu nao fiz a pesquisa com os dados das acoes da BOVESPA.

Enfim, um dos principais gates, ou criterios, do meu sistema que uso é o angulo da media movel.

Em outras palavras:  É a medida da inclinacao da media movel.

A formula eh a sequinte.

((Media Movel(hoje) (nperiodos)) – ( Media Movel(nperiodo atras) (nperiodos))) / ATR (nperiodos)

Traduzindo para o portugues. O valor da media movel dos ultimos xdias de hoje, ou period zero,   menos a media movel dos ultimos xdias olhando xdias atras dividido pelo average true range dos ultimos xdias.

Complicado? Talvez pareca a primeira vista, entao vou tentar explicar passo a passo com um exemplo ficticio.

Vou quebrar em partes.

Exemplo de uma acao XYZ4.

Media movel de 200 periodos hoje (24/09/2010) = 50

Media movel de 200 periodos a 50 peridos atras (20/07/2010)= 30

ATR medio de 200 periodos= 2

Resultado= (50-30)/2 = 10

Em outras palavras posso dizer que esta acao subiu 10X o ATR medio nos ultimos 50 periodos. Isso é um forte indicative que a acao esta em uma tendencia de alta.

Quando o resultado for um numero negativo a interpretacao sera contraria, ou seja, uma tendencia de baixa.

Quando mais positivo for o numero mais subindo a acao esta e quanto mais negativo o numero mais caindo a acao esta. Desta forma que isto me ajuda a fazer um filtro de selecao das acoes para comprar e vender.

Por exemplo veja o grafico da acao Australiana das 200 maiores que tem a maior inclinacao de angulo de media movel do momento = 3.8

Veja a inclinacao da acao que tem o nenor angulo de media movel

Essa tecnica ajuda a colocar na minha “watch list” dos sistemas de trend following que tenho. As acoes que tem angulos bem positives ou negatives sao as candidatas a operacao. Assim identifico quem esta fortes (para entrar comprador) ou as fraco (para entrar vendido). O mercado tem estado bem de lado nos ultimos 12 meses, mas surgiram boas oportunidades de ganhar na ponta da venda, principalmente.

Agora mesmo com este indicador, que acho bom pra caramba, o sistema so acerta 30 a 40% das vezes. Na maioria das vezes eu tomo porrada do mercado, mas o que me mantem vivo no jogo sao minhas regras de money management e position size. Em sistemas de trend following o mais importante nao é a entrada mas a saida. Tipo uma vez perguntaram para o Ed Seikota: “Quando eu identifico que uma ação esta em tendencia, quando que eu entro?”. A resposta foi:”Como assim? quando voce entra? Eu que me pergunto porque voce JA nao esta na tendencia”.

O cara é um pouco irreverente, mas quis usar sua citacao para enfatizar que a entrada nao é tao importante quanto a saida em um sistema de trend following.

Dai a importancia do Stop Loss e Taking Profit ser tao importante.

Debate Inflação/Deflação (Inflation/Deflation)

Talvez o topico de Inflação/Deflação é um grande assunto negligenciado pela midia main stream e pra mim hoje é a coisa mais importante a se monitorar se voce é um trader que se interessa com a visão do todo, como eu.

Ainda nao toquei aqui no blog sobre o que acho da influencia das noticias em trades. Lembro que ainda recem formado trabalhando na Hegding Griffo um amigo meu me disse um cliché: “A midia é uma meio de manipulacao das massas”. Nao poderia ser a mais pura verdade, alias eu acho que vou mais longe “a midia, principalmente a main stream, é um meio de anestesiar a massa”. Já há algum tempo eu leio jornal so pra me divertir aos sabados. Tipo dar umas risadas pra ter uma ideia do que a massa esta lendo e o que os reporters estao escrevendo.

Hoje confesso que desenvolvi a habilidade de separar o joio do trigo, isto é ainda tem alguns poucos lucidos que escrevem coisas que fazem sentido, mas a maioria é lixo, enfim isso é assunto para outro topico.

Televisao em casa fica desligada a nao ser para assistir um DVD, uma comedia. esportes ou um documentario. Noticia mesmo so on demand na internet e faco isto ha muito tempo.

Voltando o debate deflacao e inflacao acho crucial acompanhar como este debate vai se desenrolar e como isso pode influenciar o seu trade, seja ele bolsa, commodies, futuros ou Forex.

Acho interessante ler o post sobre definicao de dinheiro, inflacao e deflacao para entender melhor deste ponto em diante.

Basicamente na blogsfera existe um debate intenso e recomendo pesquisar os seguintes caras que acampanho.

Do argumento da inflacao:

  • Marc Faber: Editor do Gloom Boom and Doom report. Sempre está na midia e tem uma porrada de video dele no YouTube.
  • Peter Schiff: Dono da Euro Pacific Capital. Sua popularidade na midia é grande e tentou se candidatar ao senado nas próximas eleições (2010), mas perdeu a nominação. Basicamente Peter é o que chamamos de um gold bug. O cara acha que ouro vai estourar, mas acho que não seja um cara que tem um timing bom, e dizem que seus clientes perdem grana por não ser um bom trader, apesar de ter cantado bem a bola da crise de 2008. Acho que seu defeito, segundo Mish (veja abaixo), é que sua visão é muito centrada nos EUA.
  • Michael Pento: Economista da Delta Global Advisors sempre esta na CNBC comentado e recentemente foi praticamente expulso do ar pela musa Erin Burnett no ar. Prai da pra ver que o cara não tem papas na lingua.
  • Jim Grant: Um dos economista que mais entendem do mercado de Bond e taxa de juros. Seu site.

Agora do lado da deflação

  • Mish Schedlock: Apesar de não ter uma formação em economia é um dos caras que acho que mais entende da dinamica de economia mundial. Mish é um fenomeno e o seu blog é o mais lido de economia no mundo. O cara ter formação em TI e começou a blogar porque ficou desempregado e não conseguia se recolocar na área. Neste caso perder o emprego foi para o bem. Seu blog é o Global Economic Analysis.
  • Hugh Hendry: Hedge Fund Manager da Eclectica Asset Management. Atualmente rankeado o Hedge Fund mais rentavel do ano pela Bloomberg. Não perco uma aparição dele na midia pela sua irreverencia e sinceridade. Da pra dar umas boas risadas. O cara é um genio.
  • David Rosemberg: Economista chefe da Gluskin Sheff Associate. Sempre está na midia e é uma das principais assumidades em bonds e sempre fala sobre suas visões sobre onde o mercado de bonds esta indo. Segundo ele para niveis nunca imaginados antes.

Apresentado os protagonistas da discussão, vou tentar resumir as duas linhas de pensamento aqui.

Os que defendem inflação acham que havera no futuro proximo, e isso pode ser em 1 ou 5 anos, uma hyperinflacao na verdade, que será causada principalmente pela impressão de dinheiro nos EUA o que levara ao colapso no Mercado de bonds nos EUA e do USD.  O preco das commodities, que sao hoje denominados em dolares irao disparar em consequencia do colapso das verdinhas, principalmente ouro que segundo os inflacionistas é um hedge  contra a inflacao.

Os inflacionistas estao posicionados basicamente em dois trades. Estao comprados (long) em ouro e outros  metais preciosos (e.g. prata e platinum) e vendidos em US treasury. Eles acreditam que os EUA nao vao dar conta de servir os juros da divida e acha que a situacao de debito vai piorar com as obrigacoes futuras como seguro social, previdencia e seguro saude que o governo atual (Obama) e outros passados estao se compromentendo.

Um outro argumento defendido bem por Jim Grant é que o ciclo dos Bond Yields que estao em queda desde 1982 hoje estao nos niveis mais baixos da historia e quando eles atingem o fundo do poco eles comecarão a subir.

Nao é o escopo entrar em detalhe, mas uma forma de combater a inflacao é aumentar as taxas de juros, assim sua premissa esta em que os yields (juros) dos bonds vao aumentar em consequencia da pressao inflacionaria. Jim acredita que o mercado de Bond é uma enorme bolha.

Por outro lado, o argumento dos deflacionistas é o seguinte:

Não é tão simples como o oposto da visão inflacionária. O que dizem é que existe na economia ciclos de expansão e de contração de credito, sendo deflação a parte do ciclo de contração de crédito. Eles explicam que o que aconteceu de mais ou menos 1982 ate 2007 foi uma absurda expansão de credito na economia, como nunca visto antes, onde as pessoas, empresas e bancos ficaram absurdamente endividados basicamente no mundo todo e nao tem mais condicoes de tomar mais divida.

Neste periodo de expansao de crédito o valor dos ativos, como propriedades, commodities e patrimonio em geral aumentaram muito e foram basicamente inflados por esta criacao de divida e alavancagem. Assim se chegou em um ponto onde eles acreditam que o mundo gerou uma capacidade produtiva onde nao pode se consumir mais a nao ser com mais expansao de credito.  Entretanto, nao da mais para aumentar  mais a divida, pois ela esta nos limites do insuportavel.

A teoria deflacionista explica bem a crise que deu em 2007/2008, a pior desde a crise de 29, que pra mim ainda esta acontecendo. Quando a crise estourou as pessoas, instituicoes financeiras e empresa nao conseguiam mais carregar a divida que tinham. A divida durante decadas estava artificialmente aumentando o preco dos ativos. Assim, em 2008 o credito facil secou no sistema e o Mercado entrou em um colapso e todos tiveram que se livrar dos ativos para pagar as dividas e  “ todo mundo”, ou pelo menos a maioria, ficou debaixo d’agua, pois a divida ficou maior que os ativos, gerando patrimonio liquido negativo. Isto basicamente é o cenario deflacionario, causado principalmente pela contracao do credito.

O que tem acontecido nos ultimos 2 anos, desde que o  Lehman Brothers quebrou e a crise se acentuou é que apesar dos juros nos EUA estarem praticamente zero % e o FED (Banco Central Americano) tem impresso mais de 1 trilhao o credito continua ainda contraindo e nao ha sinais de inflacao.

Mas como podemos acompanhar qual cenario vai se desenrolar e quem esta ganhando o argumento no momento?

Eu acompanho basicamente 2 coisas

  • Preco dos Bonds
  • Preco do ouro e commdities em geral

Atualmente a coisa esta um pouco confusa porque o preco do ouro esta sugerindo inflacao, pois o preco tem subido fortemente nos ultimos 10 anos e mais acentuadamente nos ultimos 2 fazendo novos recorde de precos recentemente. Por outro lado, o preco dos bonds estao sugerindo deflacao, pois o preco dos titulos estao subindo e as pessoas estao bem aversas a risco com medo da bolsa, por exemplo.

No geral acho que deflação esta ganhando o debate. O que acontece atualmente nos EUA  é uma outra caracteristica de periodos deflacionarios. A confianca do consumidor fica baixa e as pessoas consomem menos, as empresas produzem  menos, existem cortes, o desemprego aumenta e os precos caem.

Qual a opiniao de Velaepavio?

Eu particularmente tendo mais a advogar a deflação, pelo menos no curto e medio prazo. Digo nos proximos 2 a 5 anos e dependendo da acao de varios protagonistas ao redor do mundo podemos voltar a um novo ciclo de crescimento la na frente (2015+) ou ter o caos da hyperinflacao que segundo Mish é tão improvavel que será basicamente o fim do mundo (the game end).

Eu acredito que no momento estamos em um secular Bear Market e a coisa ainda vai ficar feia nos proximos 2 a 5 anos ate termos um novo bull market. (assunto para outro post)

Finalizando, o que vai desenrolar depende dos principais protagonistas que são:

  • EUA
  • China
  • Europa ( principalmente os PIIGs Portugal, Espanha, Italia, Irlando e Grecia)
  • Outros Emergentes : Russia, Brasil e India, mas com pouco poder de decisao.

O principal problema de fazer previsoes é que nao se sabe o que se passa pela cabeca de Ben Bernanke, Obama, Hu Jintao, Jean Claude Trichet e membros da Uniao Europeia como Grecia. Tambem existem outros probleminhas pela frente como Iran, Climate Change e falta recursos em geral no futuro, como petroleo, fertilizantes e comida.

Acho que chega por este post…

Desenvolverei o assunto The Big Picture entrando em mais detalhe nos futuros posts. As ideias sao coisas como

–          Entenda a atual crise e onde estamos no momento

–          O que o Mercado de bonds estao dizendo

–          Ouro esta indo em direcao a 5000?

Caso tenha alguma sugestão ou duvida deixe um comentário.

Trader Fundamentalista vs. Tecnico

A primeira vez que ouvi a distinção entre trader fundamentalista e tecnico, foi em uma palestra de recrutamento na GV. Lembro muito bem deste dia, como se fosse hoje.

O Banco Pactual em uma de suas palestras com Andre Esteves, palestrando para uma audiência de uns 25 alunos. No dia ele não era a estrela que é hoje no mercado financeiro brasileiro. Lembro que na epoca ele era apenas um socio trader do Pactual. A epoca era 1998 e isso foi meses antes que ele “ajudou” a quebrar o Marka/FonteCidam de Cacciola.

O Andre Esteves era um dos traders que estava comprado (long) em USD/BRL em 1999 na crise do cambio. O Marka estava vendido (short) na outra ponta do trade. Enfim, voce sabe o final da historia.  O Marka quebrou e o Andre Esteves virou estrela e depois acionista majoritario no Pactual.

Andre explicou a diferença entre os dois tipos e basicamente são as seguintes sem muita enrolação.

O trader fundamentalista compra ou vende um ativo olhando para os fundamentos. Por exemplo, no caso do câmbio fundamentos importantes são, fluxo de dinheiro, balança comercial, taxa de juros, situação politica, eleições etc. Isso tudo influencia a oferta e a demanda por uma determinada moeda. No caso de ações, por exemplo, um trader fundamentalista olharia, para o balanço da empresa, o lucro, a projeção de fluxos de caixas, competidores, por exemplo.

O trader tecnico, por outro lado, não olha nada disso. O que importa é apenas duas coisas. PRECO e VOLUME. Com certeza com mais ênfase ao preco. Para o trader tecnico todo o resto é “irrelevante”, pois toda a informação é refletida no preço.

Andre Esteves era um trader fundamentalista e se deu muito bem em sua carreira. Existem outros excelente traders fundamentalistas como Jim Rogers. Outro fundamentalista bem sucedido é Warren Buffet. Não vou coloca-lo na categoria de trader. Ele é mais conhecido como investidor, pois esta interessado em ser investidor no longo prazo, ou melhor ad eternum, segundo ele próprio.

Qual é a melhor opção? Qual é o melhor método?

A resposta é os dois. Vai depender apenas de você qual destes tem mais a ver com você, ou melhor, qual deles ajusta mais a seus objetivos e sua personalidade.

Existem traders que usam os dois. Agora é um erro dizer que um esta certo e outro está errado.

Tem um video de Jack Schwager que onde ele explica bem o que estou tentando dizer aqui.

Ele fala de dois traders, entrevistados em seu livro Market Wizards, extremamente bem sucedido. Um deles Jim Rogers e outro Marty Schwartz. Marty era um analista fundamentalista com MBA que ganhava bem sendo analista fundamentalista, mas vivia quebrado porque perdia todo seu dinheiro tradando o mercado baseado em suas analises fundamentalistas. Depois que mudou seu metodo para tecnico comecou a render 20% ao mes durante mais de uma decada.

Jim Rogers, que fundou o Quantum fund com George Soros, esta trilhardario olhando basicamente so fundamentos. Na opinião dele ele não conhece nenhum analista tecnico rico, a não ser aqueles que vendem o seu metodo.

Enfim a conclusão aqui é que o metodo não é importante, mas sim o que funciona pra você.

Eu hoje no meu trading sou tecnico, entretanto, eu acho extremamente importante fundamentos. Eu não baseio minha decisão de comprar ou vender um ativo devido a seus fundamentos, mas pra mim fundamentos funcionam para me dar a visão do todo. Como por exemplo, direção do mercado (bull/bear), analisar os ciclos de longo prazo, riscos eminentes e etc. Isso mais porque gosto de economia. Interessante é que muitas vezes percebo que os fundamentos seguem o preço geralmente, pois quando a informação chega ao publico o preço já incorporou a informação nova. A controvérsias, mas esta é a opinião de um cara tecnico.

Vou dedicar parte deste blog pra discutir so sobre fundamentos economicos, como o debate Inflação/Deflação por exemplo.

Voltando na linha que estou discutindo aqui no blog vou discutir daqui pra frente sobre o que aprendi sobre trading e um pouco dos meus métodos, já que finalmente cheguei no momento atual da minha jornada.

Meu estilo de trading é mecanico. Em outras palavras eu tenho um monte de regras que definem meu trading plan como.

– Quando comprar

– Quanto comprar

– Quanto arriscar

– Quando vender

Em Ingles sou conhecido como system based trader. Eu tenho um sistema onde sigo as regras. O que tenho que fazer pra ser bem sucedido é somente seguir as minhas regras. Simples assim. Vou discutir aqui quais os segredos pra ser um bom trader tecnico sistemático.

Antes de avançar mais vale colocar aqui que os traders tecnicos se subdividem em dois tipos.

  • Discrecionario
  • Mecanico.

mas isso é assunto para outro post.